Vestígios de óleo perto de Aracruz; município acende alerta vermelho

Pequenos fragmentos, possivelmente do mesmo óleo que poluiu as praias da região Nordeste, foram recolhidos em Pontal do Ipiranga, balneário de Linhares

0
1726
Fragmentos de óleo são recolhidos na praia de Pontal do Ipiranga, em Linhares. Material foi encaminhado para análise. Foto: Reprodução/G1 ES

Com informações do G1 ES

O óleo de origem desconhecida que contamina há mais de dois meses o Nordeste brasileiro teve a chegada ao Espírito Santo confirmada na última sexta-feira 08. Agora o resíduo pode estar mais próximo da orla de Aracruz. É que pequenos fragmentos, possivelmente do mesmo poluente detectado nas praias da região Nordeste, bem como no litoral de São Mateus, foram recolhidos em Pontal do Ipiranga, balneário de Linhares, na manhã deste domingo 10. As amostras serão submetidas a análises.

Com sinal de alerta vermelho na orla de Aracruz, o prefeito Jones Cavaglieri colocou à disposição do comandado da Marinha dois espaços em equipamentos públicos situados em Barra do Riacho. Os locais irão abrigar militares que atuarão no eventual recolhimento de fragmentos de óleo nas praias do município.

Ainda em Aracruz, foi deflagrado o Plano de Ação preparado pela prefeitura, que a partir desta segunda-feira 11 irá convocar os voluntários cadastrados em seu site para uma capacitação quanto aos procedimentos a serem adotados no monitoramento e limpeza das praias locais. Caso seja encontrado óleo nas praias de Aracruz, a prefeitura pede que seja imediatamente informada através do número (27) 99830-9142.

No Espírito Santo, a praia de Guriri, em São Mateus, foi a primeira a registrar presença de óleo. As amostras da substância encontradas por lá na quinta-feira 07 foram encaminhados pelo Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA) – composto pela Marinha, Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Ibama – ao Instituto de Estudos do Mar (IEAPM), que confirmou ser o mesmo óleo encontrado no litoral do Nordeste. No entanto, de acordo com o Governo do Estado, todo o material já foi recolhido e a praia está limpa e liberada para banho, sem nenhuma confirmação de reaparecimento de óleo.

De acordo com levantamento do Ibama divulgado no domingo 10, as praias de Barra Nova e Urussuquara, ambas em São Mateus, também foram afetadas por vestígios do óleo. Se houver confirmação de que os fragmentos coletados em Pontal do Ipiranga são do mesmo poluente, o número de localidades atingidas se aproximará de 470. Embora não conste na lista do Ibama, a Marinha informou, em nota enviada à imprensa no final da tarde do domingo 10, que os resíduos também foram encontrados na praia de Itaúnas, em Conceição da Barra.

Estado preparado para combater o óleo
O governador Renato Casagrande recebeu, na manhã deste domingo 10, no Palácio Anchieta, em Vitória, os gestores federais, estaduais e municipais que participam do combate aos fragmentos de óleo descobertos no litoral do Espírito Santo. Durante a reunião de alinhamento, os membros do Comitê de Preparação da Crise avaliaram que o Estado está preparado para combater o problema. O Comitê se reuniu pela primeira vez no dia 14 de outubro, quando já foi dado o primeiro passo na gestão da crise com a construção de um Plano de Ação que pudesse nortear as tomadas de decisão desde o planejamento até a execução operacional das pessoas que iriam a campo combater o óleo que se aproximava.

“Nos preparamos para diminuir o impacto [da crise]. O óleo já chegou de forma mais amena do que no Nordeste. Estamos há um mês nos preparando. Estamos atuando retirando o óleo do mar, atuando de forma planejada, as pessoas estão equipadas e isso tudo isso contribui. Esperamos que não afete o turismo e que o meio ambiente seja agredido o mínimo possível. Nossa primeira preocupação é com o meio ambiente, pois ainda não sabemos da dimensão, da gravidade. Estamos tirando o óleo que fica na superfície, mas não sabemos o impacto no fundo. Nossa preocupação é o estuário, a foz dos rios, os manguezais. Em segundo lugar queremos trazer segurança aos turistas e moradores”, afirmou o governador.

Ao longo das últimas semanas foram capacitados multiplicadores municipais nas 14 cidades costeiras do Espírito Santo. Os técnicos do Ibama, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) nivelaram conhecimentos que vão desde procedimentos para interdição das praias, do uso dos materiais e EPIs, até os primeiros desenhos de comando, definindo os pontos de atuação das brigadas.

Com as capacitações, também foi possível alinhar as equipes municipais para entenderem as peculiaridades dos seus respectivos territórios (praias) e de como atuar em ambientes de difícil acesso, gerando o menor impacto ambiental possível. Foram mapeadas ainda as dificuldades em praias mais isoladas ou de trânsito restrito, por exemplo. O grau de sensibilidade e as prioridades de ação também foram explanados, dando ênfase aos manguezais que são áreas extremamente sensíveis a esse tipo de resíduo.

Além de servidores municipais capacitados, um contingente significativo de militares também está pronto para atuar, caso seja necessário, nas praias capixabas nas atividades de limpeza, logística e suporte. Foram disponibilizados 120 bombeiros, 120 soldados do Exército e 160 militares da Marinha.

Doações
Representantes de empresas com atividades econômicas ligadas, direta ou indiretamente, à área portuária, petrolífera e de logística, caso da Imetame; da Portocel e do Estaleiro Jurong Aracruz, se uniram ao trabalho de combate ao desastre ambiental por meio da doação de equipamentos de segurança, de materiais para limpeza das praias, de barris e recipientes adequados para contenção dos resíduos coletados e de outros serviços ofertados pelas empresas, como transporte e logística, bem como a disponibilização de mão de obra especializada. O governador Casagrande aproveitou o encontro para receber os diretores executivos das empresas que colaboram com a operação e agradecer a iniciativa de todos. Ele destacou a agilidade no encaminhamento dos objetos doados à Defesa Civil do Estado.

Inspeção de sobrevoo
Caso a intensidade do óleo que poluiu o Nordeste se agrave no Estado, aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) poderão sobrevoar o litoral capixaba para fazer uma inspeção na parte mais afastada do mar e tentar localizar manchas que não são vistas da costa. A informação é do vice-almirante Flávio Augusto Viana Rocha, comandante do 1º Distrito Naval da Marinha do Brasil. Ele esteve em Vitória neste domingo 10 para participar da reunião de alinhamento com o governador Renato Casagrande.

PUBLICIDADE