União e Dnit condenados a retirar restos dos escombros da ponte Getúlio Vargas

Parte da ponte desabou em 2009, matando uma pessoa. Réus têm dois anos para cumprir a decisão

0
15
Foto: Arquivo/Divulgação

O Ministério Público Federal no Espírito Santo obteve a condenação da União e do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para que ambos façam a retirada do restante da estrutura da ponte Getúlio Vargas, em Linhares, e também dos escombros que ficaram no leito do rio Doce, após o desabamento ocorrido em 2009.

Segundo a sentença da 1ª Vara Federal de Linhares, dada a complexidade das obras a serem realizadas, ficou estabelecido o prazo de dois anos para a conclusão dos trabalhos. A decisão também pontua que, tendo em vista o laudo pericial que atestou risco de novo desabamento a qualquer momento e que há circulação de pessoas e embarcações nas áreas situadas abaixo dos vãos que permanecem de pé, os réus deverão, imediatamente, adotar providências de sinalização ostensiva, impedimento de acesso aos locais de risco, campanhas de conscientização da população com o objetivo de evitar novos danos, sobretudo a pessoas, enquanto não é concluída a desmobilização.

Histórico

Em 19 de janeiro de 2009 houve o desabamento de aproximadamente 200 metros da estrutura da ponte Getúlio Vargas, ocasionando a morte de uma pessoa e a queda de outra no rio Doce. Em fevereiro do mesmo ano e em novembro de 2011 outros pedaços da estrutura também caíram. Dessa vez, não houve feridos porque a ponte estava interditada. À época, o então superintendente do Dnit e o supervisor local do órgão foram denunciados por homicídio culposo. Desde então a situação não mudou. As ruínas da antiga ponte continuam no local, oferecendo risco de desmoronamento, e o meio ambiente vem sendo afetado, já que parte da estrutura permanece no leito do rio Doce e os materiais possuem substâncias tóxicas e que não são biodegradáveis.

PUBLICIDADE