Termos de colaboração com a APAE de Aracruz chegam a R$ 1,8 milhão

O objetivo é promover inclusão social e qualidade de vida no município de Aracruz

0
3
Foto: Divulgação

Promover inclusão social e qualidade de vida a crianças, adolescentes, jovens e idosos do município de Aracruz. Esse é o objetivo da secretaria municipal de Desenvolvimento Social e Trabalho ao firmar termos de colaboração, anualmente, com os diversos projetos sociais existentes. Para a Associação de Pais e Amigos Excepcionais (APAE), apenas neste a prefeitura fará o repasse de mais de R$ 621 mil.

Dos recursos repassados, R$ 231 mil serão destinados ao serviço de atendimento especializado à criança e adultos com necessidades que sofreram violação de direitos. E R$ 375.541,85 serão aplicados nos serviços de fortalecimento de vínculos familiares e comunitários.

Além desses recursos, no dia 29 de junho último a APAE apresentou um plano solicitando a liberação de mais R$ 75.642,15, por meio de aditivo, para incluir o transporte para crianças e adultos da sede. O município mantém o serviço de transporte de crianças e adultos dos distritos, fora da sede, que, mesmo não sendo obrigatório, realiza o atendimento para facilitar o acompanhamento/atendimento das pessoas com deficiência.

O prefeito Dr. Coutinho disse que todos os esforços são mantidos para que as instituições situadas no município tenham a garantia do recurso dentro do planejamento da prefeitura: “Amparar as pessoas que não têm acesso às políticas públicas, principalmente quanto à saúde e educação básica, é uma das nossas maiores demandas. Somos parceiros de todos os projetos sociais, promovendo cidadania e dando a dignidade que tanto merecem e precisam”.

A secretaria municipal de Saúde também tem um Termo de Colaboração vigente com recursos de R$ 469 mil para serem aplicados na área de assistência médica e terapia multiprofissional durante o semestre. O montante visa a contratação de assistente social, enfermeiro, quatro fisioterapeutas, três fonoaudiólogos, dois psicólogos, terapeuta ocupacional, quatro médicos, entre eles neurologista, para atender a demanda de cerca de 200 pacientes por mês portadores de deficiência física e intelectual, como autistas, síndrome de down, paralisia cerebral e outros.

Também foram destinados R$ 72 mil para a contratação de neuropediatra, para avaliação das crianças com TDAH, autismo e outras patologias, que são atendidas no Centro de Especialidades Médicas.

PUBLICIDADE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui