SA Ambiental inova ao transformar projeto em espaço educador ao ar livre

Mudar atitudes e fomentar uma consciência mais ambientalmente responsável é o principal objetivo do projeto de conscientização sustentável da empresa

0
27
O antes (2018) e o depois (2019) do pomar da SA Ambiental. Em pouco mais de um ano, o espaço – com cerca de 30 tipos de plantas frutíferas diferentes – evoluiu consideravelmente. Fotos: Beth Vervloet e Jasleon Humberto

Uma ótima notícia em tempos de crises e desastres ambientais. Para reforçar a temática da educação ambiental no cotidiano dos alunos da rede municipal e estadual de Aracruz, a SA Ambiental – empresa responsável pelo serviço público de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos no município – inseriu novidades no projeto de conscientização sustentável que criou no ano passado, transformando-o em espaço educador ao ar livre.

Agora, os estudantes que visitam a sede da empresa, no bairro De Carli, além de assistirem a uma palestra reflexiva e conhecerem o canteiro de plantas medicinais; a horta comunitária; o meliponário e o pomar de pequeno porte que são mantidos no local, têm a oportunidade de visitar um lago ornamental com 11 carpas coloridas e outro com seis tartarugas tigre d’água (cinco fêmeas e um macho).

Com dois e oito mil litros de água, respectivamente, o lago de tartarugas e o de peixes garantem sensação de bem-estar e tranquilidade, estreitando ainda mais a relação dos visitantes com a natureza. Anexo à área dos lagos passou a funcionar também uma aconchegante área de vivência. “São diferenciais não só para os alunos que vêm conhecer as boas práticas da empresa como também para os colaboradores, que podem recarregar suas energias nesses ambientes”, destaca o gerente de operações, Renato Antunes.

Área de vivência. Foto: Divulgação/SA Ambiental

Mudar atitudes e fomentar uma consciência mais ambientalmente responsável é o principal objetivo do projeto de conscientização sustentável da empresa, que neste ano – entre julho e outubro – recebeu 1.985 alunos (inclusive de Fundão), 636 a mais que o mesmo período do ano passado. Nessa comparação, o que também se nota é a transformação pela qual passou o canteiro de plantas medicinais, a horta comunitária e o pomar. Bem cuidados pelos próprios colaboradores da empresa, que se revezam voluntariamente na atividade, esses espaços evoluíram consideravelmente.

“Nosso propósito é contribuir na formação dos alunos enquanto cidadãos. Buscamos enriquecer o conhecimento deles, fazendo com que criem hábitos sustentáveis e ecologicamente corretos e se tornem multiplicadores, levando o que aprenderam durante a visita para seus familiares e vizinhos. Ver os alunos propondo esse aprendizado obtido aqui como um dos esforços possíveis na modificação de concepções e atitudes, visando o respeito ao meio ambiente, é o resultado mais recompensador do projeto”, pontua Renato Antunes.

Como é a visita dos alunos à SA Ambiental

O tour dos alunos pela SA Ambiental começa no auditório, com uma palestra que, além da coleta seletiva do lixo, bem como reciclagem e compostagem, chama atenção para a gravidade da poluição dos oceanos e ainda, ressaltando a importância de manter as praias limpas para a preservação da vida dos animais marinhos e a saúde da população.

O bate-papo aborda ainda os diversos serviços prestados pela empresa em Aracruz. “O propósito é desenvolver no aluno o senso de responsabilidade na preservação do meio em que vive”, explica a bióloga Andressa Palaoro, responsável pela parte pedagógica do projeto. “Também é uma oportunidade de motivarmos as escolas a trabalharem ainda mais efetivamente as questões do meio ambiente”, completa.

Após a palestra, os alunos aprendem, na prática, a importância da reciclagem do lixo e da coleta seletiva. Dali, eles seguem para o canteiro de plantas medicinais, onde conhecem as propriedades nutricionais e benefícios de cada uma delas. Em seguida, os alunos visitam a horta comunitária, cujo intuito é provocar a introdução de alimentos orgânicos no cardápio do dia a dia, numa forma de incentivar hábitos saudáveis de vida. “Esse estímulo à formação de novos hábitos com relação à utilização de recursos naturais favorece a reflexão sobre a responsabilidade ambiental e a garantia à vida no planeta”, enfatiza Andressa Palaoro.

A visita segue com uma parada nos lagos ornamentais recém-instalados na sede da SA Ambiental. Depois, os alunos conhecem o pomar de pequeno porte que abriga cerca de 30 tipos de plantas frutíferas diferentes, além de um meliponário – um conjunto de colmeias de abelhas do gênero Uruçu (Melipona), nativas da Mata Atlântica brasileira, que não possuem ferrão e produzem um mel de elevada qualidade nutricional e medicinal. As abelhas, porém, possuem uma importância muito maior. Elas são responsáveis, entre outras tarefas, pela polinização do pomar.

Por fim, antes de degustarem um lanche especial, os alunos tiram dúvidas sobre os serviços prestados pela empresa em Aracruz, onde é a responsável pela limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, o que inclui os RSS (Resíduos de Serviços de Saúde). Na oportunidade, eles ficam por dentro do funcionamento do caminhão coletor e compactador, tipo de veículo mais notado dentre os que compõem a frota da empresa.

Uma das escolas municipais que levou os alunos para visitar o projeto da SA Ambiental foi o Centro Municipal de Educação Básica (CMEB) Paulo Freire, do bairro São Marcos. Professora e pedagoga da unidade de ensino, Oziliadora Bertholini Pianca destaca que “os conhecimentos transmitidos em sala de aula são amplamente reforçados através da visita à SA Ambiental, momento que une teoria e prática. É muito válida essa parceria da empresa com as escolas do município”.

Alunos e professores irão aprender a fazer armadilha para mosquito da dengue
Ainda neste ano, os alunos e professores que visitarem a SA Ambiental para conhecer o projeto de conscientização desenvolvido pela empresa irão aprender a confeccionar uma ‘mosquitoeira’, armadilha para o Aedes aegypti, mosquito transmissor de dengue, zika e chikungunya. A proposta, que está em fase final de estruturação, tem o objetivo de fazer com que os visitantes possam multiplicar o equipamento (feito com garrafa PET) na comunidade, combatendo o mosquito. Sobretudo agora, que as chuvas de verão estão para começar.

Tartarugas tigre d’água: conheça a espécie

Tartaruga tigre d’água. Foto: Jasleon Humberto

O nome vem da aparência do animal, que apresenta listras em tons de amarelo e laranja. De acordo com especialistas, a espécie – nativa do Rio Grande do Sul – vive, em média, de 20 a 30 anos quando está em cativeiro, e um pouco menos em vida livre, devido aos predadores naturais. Quando nascem, essas tartarugas medem cerca de três centímetros, mas, na vida adulta, podem atingir até 25 cm. Onívora, quando está na natureza, a espécie costuma se alimentar de insetos, peixes, crustáceos, anfíbios e musgo. Em geral, quando presas em cativeiro, as tartarugas aceitam bem as rações industrializadas.

As tartarugas tigre d’água costumam ter um comportamento tranquilo, contanto que fiquem em repouso no seu viveiro. Assim como outros animais, quando manuseadas constantemente, podem apresentar comportamento agressivo, já que consideram este tipo de ação uma espécie de ataque. A reprodução da espécie, segundo analistas ambientais, ocorre uma vez por ano. A fêmea produz, em média, de 10 a 12 ovos por postura.

PUBLICIDADE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui