SA Ambiental incentiva população a adotar a cultura da coleta seletiva em Aracruz

‘RECICLAR É RESPEITAR’

0
220
Buscando incentivar a população de Aracruz a adotar a cultura da coleta seletiva de lixo, a SA Ambiental já instalou 100 kits de lixeiras com o padrão internacional de cinco cores, separando os detritos recicláveis. Foto: Divulgação/PMA

Depois de adquirir e instalar, por iniciativa própria, 600 papeleiras nos postes das principais vias e logradouros públicos de Aracruz, além de contentores de 240 litros próximos a restaurantes e outros estabelecimentos comerciais do ramo alimentício, a SA Ambiental – empresa que sempre se mostrou preocupada com o meio ambiente e com o desenvolvimento socioeconômico e sustentável – realizou uma nova doação ao município, buscando incentivar a população a adotar a cultura da coleta seletiva de lixo. São mais de 100 kits de lixeiras com o padrão internacional de cinco cores, separando os detritos recicláveis.

“Assim que assumiu o serviço público de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos em Aracruz, a SA Ambiental percebeu que não havia oferta de papeleiras nas ruas e o incentivo à coleta seletiva era mínimo. Ainda que não estivesse dentro de nossa responsabilidade contratual, procuramos uma forma de mudar aquela realidade e nos deparamos com a falta de lei para que a iniciativa privada pudesse instalar os coletores no município. Por estímulo da empresa, uma lei municipal foi criada e até então temos colaborado de forma exclusiva com a mesma. Somando as papeleiras e os recipientes dos kits de coleta seletiva, já doamos ao município mais de mil lixeiras, tendo o cuidado de mantê-las em bom estado. Os benefícios são inúmeros. A cidade fica mais bonita, limpa e organizada, o que acaba impactando positivamente também o comércio”, explica Cidiney Mazim, representante jurídico da SA Ambiental, acrescentando que a coleta seletiva “é uma questão de responsabilidade compartilhada entre setor público, privado e sociedade”.

Instalação em todo município
Identificadas com as cores amarela (metal); vermelha (plástico); azul (papel); verde (vidro) e marrom (resíduos orgânicos), as lixeiras públicas foram instaladas em áreas de grande movimento (praças e pontos de ônibus). Praias, escolas e os prédios dos principais órgãos públicos também contam com os kits de coleta seletiva, montados na própria SA com o uso de estacas de eucalipto tratado.

Cada lixeira do kit conta com um saco plástico biodegradável de mesma cor. A coleta dos detritos descartados nestes recipientes, bem como a reposição dos sacos plásticos, fica a cargo dos colaboradores da SA Ambiental, que ainda faz – sem nenhum custo para o município – a manutenção das lixeiras, substituindo aquelas que tenham sofrido avarias ou depredações. O material coletado é armazenado em uma baia no pátio da sede administrativa da empresa até que seja recolhido pelos catadores da cooperativa de reciclagem do município.

Conscientização

100° kit de lixeiras com o padrão internacional de cinco cores foi instalado em frente a Escola Luiza Silvina Jardim Rebuzzi, no bairro Jequitibá. Foto: Beth Vervloet

Um projeto sustentável da SA Ambiental, que durante todo o ano passado – quando foi lançado – recebeu 1,3 mil alunos da rede municipal de ensino, além de campanhas educativas promovidas pela empresa no rádio e nas redes sociais, ajudam a disseminar a importância da coleta seletiva, aumentando a conscientização da população em relação ao consumo sustentável e a preservação do meio ambiente. “Não só fizemos a instalação dos kits de coleta seletiva, como também estamos preocupados em conscientizar a população a fazer o bom uso desses equipamentos. Os moradores se interessam em cooperar, mas o envolvimento pode ser ainda maior. Muito se fala sobre os cuidados que devemos ter com o meio ambiente, como diminuir as ações prejudiciais que o homem tem lhe causado e como tentar recuperá-lo. Um dos pilares para isso é justamente a coleta seletiva, passo mais importante para fazer com que vários tipos de resíduos sigam seu caminho para reciclagem ou destinação final ambientalmente correta”, pontua Renato Antunes, gerente de operações da SA Ambiental.

Os benefícios da coleta seletiva
Com a coleta seletiva, todos os resíduos são devidamente descartados e evitam a poluição do solo e lençóis freáticos, além de evitar a sujeira nas vias públicas e esgotos que podem causar enchentes e, consequentemente, grandes prejuízos aos cofres públicos e aos moradores das localidades afetadas.

Além do impacto ambiental necessário e positivo, a prática gera emprego e renda a cooperativas de catadores e recicladores e agrega valor a empresas. A coleta seletiva auxilia na reciclagem de diversos tipos de materiais que seriam descartados em aterros sanitários.

Eles são separados por tipos (úmidos, secos, recicláveis e orgânicos), sendo, cada resíduo, destinado a um processo independente de reciclagem. Sem essa segregação e coleta seletiva não é possível reciclar nenhum material que é recolhido pelo serviço de coleta de lixo urbano comum.

Os processos de reciclagem, de modo geral, geram novamente uma matéria-prima de qualidade para ser reutilizada e exige menos desperdício de água e energia. A prática ainda evita os riscos à saúde humana e reduz a emissão do dióxido de carbono ou gás carbônico (CO2), responsável pelo aquecimento global.

O que descartar em cada lixeira:
AMARELA: latas ou utensílios de alumínio, aço ou flandres, tampinhas metálicas, embalagens limpas de marmitex e pregos/parafusos. Não coloque: latas de tinta/verniz, latas de produtos tóxicos (como embalagens de aerossóis) e esponjas de aço.

VERMELHA: copos e garrafas plásticas, tampas, sacolas, embalagens de produtos de higiene e limpeza, CDs e DVDs, brinquedos, canos e outros utensílios como canetas e escovas de dente. Não coloque: adesivos, embalagens com lâminas metalizadas, cabos de panela, acrílicos, chapas de raios-X e fraldas descartáveis.

AZUL: papéis comuns – inclusive impressos ou escritos, envelopes, cartolinas, papel de embrulho limpo (sem cola) e embalagens cartonadas de produtos lácteos. Não coloque: bitucas de cigarro, etiquetas adesivas, papéis carbono, celofane, metalizados, fax, parafinados, plastificados, fotografias, papel higiênico, lenços sujos e guardanapos.

VERDE: copos ou garrafas de vidro, potes e frascos (limpos). Não coloque: porcelanas, louças, cerâmicas, óculos, cristais, espelhos, ampolas de medicamentos e lâmpadas.

MARROM: qualquer material de origem biológica, proveniente da vida animal ou vegetal. Caso de cascas de frutas, verduras e ovos, sachês de chá, folhas, caules, flores e restos de comida em geral. Não coloque: lixo inorgânico.

PUBLICIDADE