Presidente da Câmara de Aracruz alerta que contratação de empresa de vídeos pode retornar pela Comunicação

Em postagem na sua página no Facebook, o presidente da Câmara de Aracruz, vereador Paulo Flávio Machado, alerta que a polêmica contratação da empresa AIE Cinema poderá ser reativada, pois a Casa recebeu uma denúncia de que a prefeitura abrirá outro processo, agora pela secretaria de Comunicação

0
392
O presidente da Câmara de Aracruz, vereador Paulo Flávio Machado. Foto: Divulgação/CMA

Em postagem na sua página no Facebook, o presidente da Câmara de Aracruz, vereador Paulo Flávio Machado, alerta que a polêmica contratação da empresa AIE Cinema, sediada no bairro de Bicanga, na Serra, por R$ 106 mil, que foi revogada pela secretária municipal de Saúde, Clenir Sani Avanza, poderá ser reativada, pois a Câmara recebeu uma denúncia de que a prefeitura abrirá outro processo, agora pela secretaria de Comunicação. “Vamos ficar de olho se isso vai realmente acontecer, e se acontecer, vamos denunciar novamente”, diz.

A revogação ocorreu após a imensa repercussão da reportagem publicada pela FOLHA DO LITORAL e a pressão de 13 dos 17 vereadores, de que a secretaria municipal de Aracruz, aproveitando a decretação de situação de emergência e o prefeito Jones Cavaglieri pedindo à Assembleia Legislativa a decretação de estado de calamidade pública, além de ignorar empresas tradicionais e antigas na cidade, optou por contratar e AIE, sem licitação.

O contrato foi assinado pela secretária Sani Avanza, de encontro aos pedidos feitos pelo prefeito Jones Cavaglieri à população, de valorização do comércio e das empresas locais. O objeto era para a produção de vídeos para enfrentamento à pandemia Covid-19.Em ofício no último dia 06, 13 dos 17 vereadores solicitaram a Clenir Avanza o imediato cancelamento da contratação da empresa para a produção de vídeos para enfrentamento à pandemia da Covid-19, alegando que a contratação não atende ao princípio da economicidade na administração pública, especialmente neste momento atípico.

O ofício foi assinado pelos vereadores Adeir Lozer, Alcântaro Filho, Alexandre Manhães, Celson Dias, Dileuza Marins Del Caro, Eliomar Rossato, Fábio Netto, Marcelo Cabral Severino, Mônica Cordeiro, Paulo Flávio, Paulo Neres, Romildo Broetto e Ronivaldo Cravo. Não assinaram Beto Negreiro, Carlito Candin, Carlinhos do Josiel e Lula.

Em postagem no Facebook, Marcelo Nena destacou que “após sessão ordinária na Câmara, nos reunimos com a secretária de Saúde, onde cobramos explicações em relação à contratação de empresa para produção de vídeo no valor de R$ 106 mil, tendo a referida secretária se comprometido a voltar atrás nesse processo, que a nosso ver, é totalmente desnecessário, até porque a prefeitura possui secretaria de Comunicação com equipe de profissionais bem pagos para exercer a função de imprensa”.

PUBLICIDADE