Prefeitura de Aracruz diz que UPAs adaptadas podem ter UTI

De acordo com a PMA, há uma recomendação do Governo do Estado a todas as secretarias municipais de criação de pelo menos 30% de leitos/cadeiras com isolamento físico nas UPAs, pronto-socorros, hospitais e, quando possível, até em UBSs

0
258
O pronto-atendimento 24 horas de Barra do Riacho recebeu 26 leitos de retaguarda. Foto: Divulgação/Prefeitura de Aracruz

Desde os primeiros indícios da formação da pandemia, a secretaria municipal de Saúde de Aracruz se posicionou com rapidez, seriedade e responsabilidade para bloquear a propagação do novo coronavírus no município. As medidas de suspensão e restrição das atividades econômicas para o imediato isolamento da população de modo a provocar em todos os cidadãos a consciência da necessidade de se adotar um novo comportamento diante da ameaça em saúde pública foram fundamentais para a primeira batalha contra a Covid-19.

Em paralelo, a secretaria de Saúde começou os estudos para fortalecer sua rede de pronto-atendimento para dar os primeiros auxílios aos casos suspeitos e confirmados e, em parceria com a rede estadual de referência para tratamento da Covid-19, acompanhar a assistência os casos mais graves.

Por causa dos esforços, o município vem conseguindo evitar uma explosão da contaminação na cidade. No entanto, diante da força da propagação e de permanência da Covid-19 nos climas quentes, o alerta contra a doença é ainda maior, conforme declara o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes de Medeiros Junior, em ofício encaminhado aos secretários municipais de todo o Estado, no dia 21 de abril.

Segundo o chefe da pasta, a crise tende a prolongar-se para os próximos 12-18 meses e pode arrastar-se até o final do mandato dos atuais prefeitos e do Governo do Estado, acompanhada de uma crise da arrecadação e do financiamento do Estado e dos municípios.

Diante disto, o Governo Estadual aponta para a necessidade de adoção de novas estratégias e de organização de todos os níveis de atenção e de vigilância em saúde para o enfrentamento da pandemia. Além da atualização dos planos de contingência da Covid-19, da criação de fluxos ágeis de contratação de serviços e compra de insumos, medicamentos e materiais, os municípios devem criar “uma proporção desejável de pelo menos 30% de leitos/cadeiras com isolamento físico nas unidades de pronto atendimento, pronto-socorro, hospitais e quando possível até em unidades básicas”.

Esta recomendação a todas as secretarias municipais de criação de pelo menos 30% de leitos/cadeiras com isolamento físico nas Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs), pronto-socorros, hospitais e, quando possível, até em Unidades Básicas de Saúde (UBSs), conforme ofício SESA/GS/278/2020.

Desta forma, obedecendo a situação de emergência em saúde pública e o estado de calamidade pública, qualquer UPA que receba adaptações, equipamentos, insumos e tenha profissionais técnicos competentes, pode abrigar uma UTI.

Diante do risco de um possível colapso da rede pública de saúde, a prefeitura informa que os respiradores chegaram a Aracruz por doação do Estado, por meio de uma solicitação da própria Suzano, do deputado estadual Erick Musso e do prefeito Jones Cavaglieri, como forma de atender pacientes com insuficiência respiratória.

PUBLICIDADE