Oito novas espécies de insetos são descobertas em Aracruz, Linhares e Sooretama

Os novos registros são fruto do projeto “Entomofauna do Espírito Santo”, que é desenvolvido pelo Incaper, com o objetivo de identificar a biodiversidade de insetos no Estado

0
56
As oito espécies de besouros, até então desconhecidos pela Ciência. Foto: Divulgação

Por Andreia Ferreira e David dos Santos Martins

Oito novas espécies de insetos foram descobertas na região Norte do Espírito Santo. Os novos registros são fruto do projeto “Entomofauna do Espírito Santo”, que é desenvolvido pelo Incaper, com o objetivo de identificar a biodiversidade de insetos no Estado. As oito espécies de besouros, até então desconhecidos pela Ciência, foram nomeadas como: Microibidion fiuzai, Iquiracetima venturai, Adesmus culiki, Xenofrea simplicioi, Xylergates quinquetuberculatus, Trichonius w-notatus, Pseudobeta casariae e Xenofrea mariae.

O estudo do projeto de pesquisa contempla a identificação de espécies de insetos Coleoptera, da família Cerambycidae, que foram coletados com diferentes métodos de captura em ambiente de Mata Atlântica, nos municípios de Aracruz, Linhares e Sooretama. O engenheiro agrônomo, doutor em Entomologia, pesquisador voluntário do Incaper e coordenador do projeto, David dos Santos Martins, explicou que, embora o conhecimento sobre a biodiversidade de insetos no Espírito Santo seja relativamente pequeno, os poucos estudos realizados nessa área têm mostrado uma entomofauna rica, com espécies endêmicas e ameaçadas de extinção.

Os Cerambycidae, ou cerambicídeos, são bem comuns nos ecossistemas florestais onde exercem papéis importantes na manutenção e evolução dos processos ecológicos, por meio de numerosos mecanismos naturais. Os besouros dessa família de insetos, também conhecidos como serra-paus, possuem antenas geralmente longas e se destacam por serem dos grupos de insetos que mais causam danos às espécies florestais. As suas larvas são em sua maioria brocas caulinares, perfuram e formam galerias na madeira ao se alimentarem, sendo capazes de causar sérios danos às árvores e também à madeira recém-cortada.

A descoberta dessas novas espécies de besouros traz enormes benefícios relacionados à biodiversidade no Estado, como destacou Martins. O Espírito Santo tem a totalidade do seu território abrangido pelos domínios da Mata Atlântica, um dos biomas mais ricos em diversidade e produtividade e mais ameaçados do planeta. Apesar de manter apenas 8,85% do seu território com sua cobertura original, o Estado contém vários fragmentos desse bioma, com formação de vegetações distintas, determinadas principalmente por fatores geológicos e edafoclimáticos.

Esta heterogeneidade de vegetação permite a formação de vários ecossistemas propícios ao desenvolvimento de uma grande riqueza de espécies de insetos e a sua preservação, conforme explicou o engenheiro agrônomo. Os registros dos insetos foram revelados em dois artigos científicos, publicados na revista “Papéis Avulsos de Zoologia”, do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo. Os artigos, em inglês, também estão disponíveis no site da Biblioteca Rui Tendinha.

Mais sobre o projeto

O projeto “Entomofauna do Estado do Espírito Santo”, além dos cerambicídeos, tem estudado vários outros grupos de insetos, por meio de coletas de espécimes em diversos ambientes do Estado. Também é desenvolvido o trabalho de reunir informações da biodiversidade de espécies de insetos já registrados e que se encontram dispersas em várias coleções científicas de Instituições e publicações especializadas no Brasil e Exterior, com suas respectivas plantas hospedeiras e distribuição no Estado. O principal objetivo do projeto é tornar os registros conhecidos, disponíveis e de fácil consulta aos segmentos do ensino, pesquisa, extensão rural, defesa agropecuária entre outros. O desenvolvimento do projeto ocorre há 15 anos no Incaper e tem a finalidade de disponibilizar os resultados de forma digital, em um Catálogo da Entomofauna do Espírito Santo, que vem sendo construído pelo Instituto. O catálogo, atualmente, conta com 5.725 espécies distribuídas em 23 ordens de insetos e 237 famílias de insetos, além de 1.118 referências e artigos sobre o tema recuperados.

Nomes homenageiam pesquisadores do Incaper

Das oito novas espécies descobertas de insetos cerambicídeos, duas receberam nomes de dois pesquisadores do Incaper. José Aires Ventura foi homenageado com a espécie Iquiracetima venturai, como forma de reconhecimento pela trajetória profissional dedicada à pesquisa na área de proteção de plantas no Estado, e por ser um dos pesquisadores mais reconhecidos nacional e internacionalmente do Instituto. Mark Culik foi homenageado com a espécie Adesmus culiki, devido ao trabalho dedicado à pesquisa entomológica no Espírito Santo, de forma voluntária, e suas importantes e significativas contribuições para o conhecimento da biodiversidade de insetos do Estado. O outro homenageado com a espécie Microibidion fiuzai é Paulo Sérgio Fiuza Ferreira, professor titular aposentado da Universidade Federal de Viçosa (UFV), especialista em Taxonomia de Heteroptera, sobretudo de Miridae, com uma vida profissional dedicada aos estudos dos insetos, sendo boa parte à entomofauna do Espírito Santo.

Importância dos insetos para o ecossistema

Os insetos compõem o maior e mais diversificado grupo do planeta e são essenciais para o equilíbrio dos ecossistemas, onde desempenham funções indispensáveis, como a propagação de plantas, por meio da polinização e dispersão de sementes, a reciclagem de nutrientes, a manutenção da estrutura das comunidades de animais e plantas, além de ser parte importante da cadeia alimentar. Além de sua importância ecológica nos ambientes naturais e agrícolas, os insetos também possuem importância econômica, contribuindo para a produção de mel, seda, tinturas etc.

PUBLICIDADE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui