Moradores de Piranema sofrem com falta de ponte e de estrada

A comunidade reclama que participou de várias reuniões com o pessoal da prefeitura, mas o problema não é resolvido

0
43
Os produtores rurais não conseguem escoar a produção e, com as chuvas, ninguém consegue transitar pela estrada de chão, mesmo com veículos tracionados. Fotos: Leitor/Divulgação

Os moradores do Assentamento Piranema, em Fundão, continuam sofrendo com a falta de ponte e condições intransitáveis da estrada que liga a localidade à rodovia ES-261. O problema se arrasta há anos, desafiando prefeitos e vereadores, que nada fazem para minorar o sofrimento de quem precisa do acesso para trabalhar na sede do município.

Os produtores rurais não conseguem escoar a produção e, com as chuvas, ninguém consegue transitar pela estrada de chão, mesmo com veículos tracionados. A comunidade reclama que participou de várias reuniões com o pessoal da prefeitura, mas o problema não é resolvido.

A queda de um motociclista em janeiro, que saiu com ferimentos leves, mas teve perda total da moto, levou a prefeitura a interditar a precária ponte, que só dava passagem para motos, bicicletas e pedestres, prejudicando as 15 famílias que moram no local. Segundo os moradores, no final da gestão anterior a prefeitura fez um paliativo para acesso, mas sem que carros pudessem transitar.

Neste início de mandato do prefeito Gil Borges, alguns secretários municipais foram ao local, mas sem que nenhuma decisão para melhorar o acesso à comunidade tenha sido tomada. O Assentamento Piranema fica a cinco quilômetros de Fundão, no sentido de Praia Grande, e desde 2017 os moradores estão sem condição de usar seus veículos para escoar a produção, quando a ponte foi carregada pela cheia do rio Fundão. Durante o passar dos anos foi feito um paliativo, com a instalação de pranchões, mas o acesso permaneceu difícil.

A ponte foi derrubada em maio de 2017, reconstruída e novamente derrubada em março de 2020, reconstruída de novo e caída em novembro. A prefeitura montou somente uma passarela em madeira para pedestres, ciclistas e motociclistas. Na época, o ex-prefeito Joilson Rocha Nunes disse que uma nova ponte não seria construída tão cedo.

Um termo de referência foi encaminhado em 3 de janeiro do ano passado pelo então secretário municipal de Agricultura, Flávio Gonçalves, solicitando a contratação de empresa especializada para a retirada dos escombros e colocação de nova ponte pré-moldada no local, com três vigas de 12 metros de comprimento e peso de 21 toneladas. O processo permanece até hoje no setor de compras da prefeitura para a abertura de processo licitatório.

PUBLICIDADE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui