Imetame assume operação do Polo Lagoa Parda

O campo está localizado a 34 km de Linhares

0
509
Em clima de alegria, gratidão e comprometimento a equipe Imetame já está a postos e preparada para este novo desafio, segundo informou o diretor Gilson Pereira Junior. Foto: Divulgação/Imetame

Ontem, 01 de outubro, a Imetame Energia assumiu a operação dos campos terrestres de petróleo e gás natural do Polo Lagoa Parda, em Linhares. O processo de aquisição, iniciado em outubro do ano passado, foi concluído com sucesso. A Imetame realizou a compra com o financiamento feito por um consórcio formado pelo Bandes e Banestes, no valor de R$ 40 milhões.

Lagoa Parda era um dos ativos da Petrobras em desinvestimento no Espírito Santo. O Polo compreende três campos terrestres em produção – Lagoa Parda, Lagoa Parda Norte e Piabinha, com produção média de aproximadamente 113,4 barris de petróleo por dia e 1,7 mil metros cúbicos diários de gás natural registrada entre janeiro e agosto deste ano.

O complexo petrolífero foi comprado da Petrobras em outubro do ano passado por US$ 9.441.586,10 (cerca de R$ 49 milhões no câmbio atual). O valor recebido no fechamento se soma ao montante de US$ 1.405.869,90 pagos à estatal na assinatura do contrato de venda.

“Há um ano estamos nos preparando para esse processo, e a nossa equipe estava na expectativa para este dia, que é um novo desafio para nós e a realização de um sonho. Somos uma empresa capixaba que ainda não tinha campos em produção no Espírito Santo, e agora este sonho se consolidou. Somos gratos a Deus e a todos que contribuíram ao longo desta jornada”, disse o diretor Gilson Pereira Junior.

As reservas adquiridas somam cerca de 2,51 milhões de barris de petróleo e 55 milhões de m³ de gás natural, com a garantia de venda da produção para a própria Petrobras. Ao longo do projeto, segundo estimativa da Imetame, serão gerados mais de R$ 100 milhões em arrecadação de impostos e royalties do petróleo.

O campo está localizado a 34 km de Linhares. Sua descoberta foi em 28 de junho de 1981 pelo poço exploratório 1-LPS-01-ES, tendo sua produção efetiva iniciada no mesmo ano da descoberta. Os limites do campo correspondem a uma área de aproximadamente 1,73 km², onde foram perfurados cinco poços, dos quais apenas dois foram classificados como produtores.

A venda dos campos é parte da política da estatal de melhorar sua alocação de capital e de investir mais os recursos em ativos de classe mundial em águas profundas e ultraprofundas. Segundo a Petrobras, o valor foi pago em duas parcelas, a primeira, de US$ 1,4 milhão, na assinatura do contrato, e o restante no fechamento da transação, que foi aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

PUBLICIDADE