Fragmentos coletados nas praias de Aracruz são do mesmo óleo que atingiu o Nordeste, confirma Marinha

Além de Barra do Sahy; Putiri; Mar Azul e Coqueiral, os vestígios de óleo atingiram outras seis praias de Aracruz

0
76
Fragmento de óleo encontrado em meio a restinga, na praia da Barra do Sahy. Foto: Divulgação/Semam Aracruz

Os fragmentos de óleo encontrados nas praias de Aracruz são similares ao poluente que atingiu a costa de todos os estados do Nordeste e de outros municípios capixabas, informou a secretaria municipal de Meio Ambiente (Semam) a partir da confirmação das análises realizadas por laboratórios da Marinha.

Com tamanhos entre um e quatro centímetros de diâmetro, os fragmentos começaram a ser encontrados na orla de Aracruz no último dia 12. Desde então, equipes da Semam têm monitorado diariamente as praias locais em busca de novos vestígios de óleo. Ao todo, 14 kg da substância já foram coletados.

Além das praias de Barra do Sahy; Putiri; Mar Azul e Coqueiral, os vestígios de óleo atingiram a Praia dos XV, Praia do Sauê, Praia dos Padres, Praia da Baleia, Praia Formosa e a Praia do Rio Preto.

“Geralmente, temos encontrado os fragmentos perto da vegetação ou envolvidos em algas, folhas e galhos”, relata Marcilene Favalessa, servidora da Semam, reforçando que a vistoria nas praias segue ocorrendo.

De acordo com Edgar Allan Martins, secretário municipal de Meio Ambiente, o momento é de cautela. Ele orienta que, em caso de localização de vestígios de óleo, a Prefeitura de Aracruz deve ser acionada imediatamente para tomar providências necessárias. O telefone para contato é (27) 99830-9142.

Mais de 700 localidades atingidas
No final de agosto, manchas de óleo começaram a aparecer em praias do Nordeste brasileiro. De lá para cá, o poluente, segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), foi identificado em pelo menos 764 locais de 124 municípios em 11 estados: Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Ainda não se sabe com exatidão o volume de óleo derramado. Também não se sabe o que causou o vazamento ou a origem dele.

PUBLICIDADE