Evangélicos devem ser maioria no Brasil em 10 anos

Ativismo evangélico, principalmente na política, e passividade católica são alguns dos principais motivos para esse crescimento

0
9
1ª Igreja Evangélica Assembleia de Deus, em Aracruz. Foto: Divulgação

O pesquisador em demografia, José Eustáquio Alves, que se aposentou do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgou uma pesquisa que diz que, a partir de 2032, fiéis evangélicos serão maioria no país, desbancando os católicos para o segundo lugar.

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo no último dia 14, Alves aponta que os principais motivos para o crescimento desta fé nos últimos anos foram o ativismo evangélico, a passividade católica e maior participação de igrejas evangélicas na política, assim como é visto no governo de Jair Bolsonaro.

Alves mostra que o fenômeno reflete uma tendência brasileira de mais de uma década. Entre 1991 e 2010, os católicos caíam 1% ao ano, enquanto os evangélicos cresciam 0,7%. Segundo o pesquisador, se aplicar estas taxas num modelo de projeção geométrica, é possível chegar à previsão de que evangélicos serão maioria em pouco mais de 10 anos.

Ele acrescenta que, de 2010 até hoje, o crescimento do número de evangélicos foi ainda superior. Dessa forma, Alves projeta que a partir de 2022, ano em que o Brasil comemora sua independência, os fiéis ao papa devem encolher para menos de 50% e, dez anos depois, seriam 38,6% da população. Já os evangélicos alcançariam em 2032 a marca dos 39,8%, tornando-se a religião predominante no país.

PUBLICIDADE