Deputado cobra conclusão das obras da BR-101

Freitas lamentou o atraso no cronograma e disse que o tráfego na rodovia aumentou, inclusive com carretas pesadas que andam a 20 km/h, prejudicando o fluxo

0
8
O deputado Freitas . Foto: Divulgação/Ales

Por Aldo Aldesco / Ales

O atraso das obras de duplicação da rodovia BR-101 no Estado voltou à pauta na sessão ordinária híbrida da Assembleia Legislativa. O deputado Freitas (PSB) fez um histórico da execução da obra, iniciada em 2013, e reclamou do não cumprimento dos prazos previstos no contrato com a Concessionária ECO101.

Freitas lembrou o contrato, assinado em maio de 2013, e a formação de frentes parlamentares na Assembleia Legislativa e Câmara Federal. Foi estabelecido um ano de prazo para a construção das praças de pedágio, cumprido pela concessionária. Ainda de acordo com o cronograma, seriam três anos para finalizar a duplicação na Região Metropolitana. E em 2018 seria concluída a duplicação de Cachoeiro de Itapemirim até Aracruz. E, em 2023, as obras estariam prontas em sua totalidade.

O deputado lamentou o atraso no cronograma e disse que o tráfego na rodovia aumentou, inclusive com carretas pesadas que andam a 20 km/h, prejudicando o fluxo. “Existe um instrumento no pedágio que contabiliza o volume de tráfego diariamente. Quando atingisse 10 mil carros por dia (o chamado gatilho), a concessionaria teria um ano para entregar duplicado o trecho. Não é peculiar, não é normal, não é comum que a gente continue esperando apenas a vontade da ECO101 (…) Nós estamos refém do que ocorre diariamente, com o volume acidentes ceifando vidas de quem está pagando a duplicação dessa estrada”, protestou.

Só praças de Pedro Canário e Mimoso do Sul têm tráfego diário inferior a 10 mil carros

Se os dados dos boletins de tráfego divulgados pela Concessionária ECO101 estiverem dentro da realidade, o “gatilho contratual” de duplicar imediatamente trechos com mais de 10 mil veículos diários não se aplica apenas a Pedro Canário, com tráfego diário em janeiro deste ano de 5.603 veículos.

A praça de Mimoso de Sul ficou perto de atingir o limite, com 9.397 veículos/dia. Assim, deveriam estar totalmente duplicados os trechos de São Mateus a Vitória e Vitória a Itapemirim. Pelo “gatilho”, ficariam de fora somente os trechos de Pedro Canário a São Mateus e Mimoso do Sul à divisa com o Rio de Janeiro. Em relação ao trecho Norte, a ECO101 se apega na morosidade da falta de licenciamento ambiental pelo Ibama, devido à reserva de Sooretama.

Tráfego pago em janeiro de 2021
Pedro Canário – 168.089 (5.603 /dia)
São Mateus – 468.756 (15.625/dia)
Aracruz – 315.015 (10.501 / dia)
Serra – 523.637 (17.456 / dia)
Guarapari – 434.063 (14.469 / dia)
Itapemirim – 457.908 (15.264 / dia)
Mimoso do Sul – 281.895 (9.397 / dia)

PUBLICIDADE