Chuvas isolam comunidade em Fundão

A cheia do rio Fundão levou até a passarela de madeira e arrancou as manilhas, que ainda permitiam a passagem de pedestres

0
158
Retrato do descaso público: os moradores colocaram pedras para servir de degrau e subir na ponte para fazer a travessia

Antes parcialmente isolada, agora, com as últimas chuvas, as 15 famílias que habitam o Assentamento Piranema, a cinco quilômetros de Fundão, no sentido de Praia Grande, estão completamente isolados, sem condição de usar seus veículos para escoar a produção. A cheia do rio Fundão levou até a passarela de madeira e arrancou as manilhas, que ainda permitiam a passagem de pedestres, com perigo e dificuldade, já que estão obrigados a escalar a ponte caída desde novembro do ano passado.

Sem ponte, sem passarela e estrada intransitável devido à falta de cascalho nos pontos críticos, as crianças estão sem transporte escolar e os moradores com dificuldade para sair da localidade. E quem precisar de socorro médico não pode contar com as ambulâncias, impossibilitadas de chegar ao local.

No final de janeiro deste ano a reportagem da FOLHA DO LITORAL ouviu moradores, que disseram que a comunidade reclama que participou de várias reuniões com o pessoal da prefeitura no ano passado e não se resolve o problema. A ponte foi derrubada em maio de 2017, reconstruída e novamente derrubada em março do ano passado, reconstruída de novo e caída em novembro. A prefeitura construiu somente uma passarela em madeira para pedestres, ciclistas e motociclistas, que foi arrastada na semana passada pela nova enchente.

Como a FOLHA publicou na ocasião, se depender do prefeito Joilson Rocha Nunes, uma nova ponte não será construída tão cedo. Um termo de referência foi encaminhado em 3 de janeiro pelo secretário municipal de Agricultura, Flávio Gonçalves, solicitando a contratação de empresa especializada para a retirada dos escombros e colocação de nova ponte pré-moldada no local, com três vigas de 12 metros de comprimento e peso de 21 toneladas.

A Assessoria de Comunicação da prefeitura informou, em nota, no final de janeiro, que o processo está no setor de compras para a abertura de processo licitatório, e o tempo decorrido dependerá da manifestação e regularidade das empresas interessadas, e no momento, não há previsão de quando será a execução do serviço.

PUBLICIDADE