Cesan assume sistema de água e esgotos na orla de Aracruz

Serão construídas redes coletoras de água e esgotos, estações elevatórias e de tratamento de esgotos. As obras estão orçadas em aproximadamente R$ 18 milhões, para que o Governo do Estado, através da Cesan, possa licitar

0
222
Luiz Cláudio Rodrigues, Elias Marochio e Jones Cavaglieri. Foto: Raquel de Pinho/SECOM PMA

Confirmando o que a FOLHA DO LITORAL publicou no final do ano passado, a Cesan assumiu a implantação da distribuição de água e o sistema de esgotamento sanitário na orla de Aracruz. Serão construídas redes coletoras de água e esgotos, estações elevatórias e de tratamento de esgotos.

No último dia 8 o diretor-geral do SAAE, Elias Antônio Coelho Marochio, fez a entrega dos projetos ao prefeito Jones Cavaglieri, junto com o coordenador da transição Cesan/SAAE/PMA, Luiz Cláudio Rodrigues. O prefeito destacou que boa parte dos usuários de menor renda será beneficiada, porque a tarifa social que a Cesan cobra é inferior à do SAAE.

Segundo Marochio, as obras estão orçadas em aproximadamente R$ 18 milhões, para que o Governo do Estado, através da Cesan, possa licitar. “O projeto tem a intenção de ser ampliado para toda a orla, o que somaria R$ 200 milhões. Acredito que a Cesan licite essas obras em aproximadamente cinco meses, de acordo com o cronograma previsto”, acredita.

Em Vila do Riacho e Barra do Riacho a Cesan herda os projetos básicos executivos relativos a sistema de coleta e tratamento de esgotos, desenvolvidos pelo SAAE. Os serviços agora prestados pela empresa estadual beneficiarão as grandes empresas, como Estaleiro Jurong e o futuro porto da Imetame, que enfrentam hoje sérios problemas no abastecimento de água em quantidade e de qualidade, e esgoto canalizado e tratado.

Elias Marochio destacou que “haverá uma ampliação na oferta de água, com a implantação de um grande sistema para atendimento à população futura, pois dará para atender a demanda com um crescimento populacional, regional e empresarial estimado em 30 anos”, ressalta o diretor geral do SAAE. Já Luiz Cláudio Rodrigues explica que o cronograma do projeto exige muito estudo no início e que a Cesan está trabalhando de maneira que consiga agilizar o que for possível. “As obras devem começar em agosto de forma que o SAAE não tenha custo nenhum de operação e que tenhamos um volume de obra o mais rápido que conseguirmos”, finaliza.

PUBLICIDADE