BR-101: tráfego pago, de acordo com a Eco101, continua diminuindo a cada mês

A FOLHA DO LITORAL é o único jornal que divulga mês a mês as tabelas de estatísticas do tráfego pago na BR-101

0
33
Os motoristas são submetidos há três semanas seguintes, no trecho entre Ibiraçu e Fundão, com intermináveis obras de recapeamento, originando engarrafamentos que duram até 40 minutos em cada sentido. Foto: Divulgação

Pelos dados divulgados no site da Concessionária Eco101, os números do tráfego pago nas sete praças de pedágio da rodovia BR-101 no Estado, apresentam novamente redução no volume de veículos pagantes, no mês em que se completam (dia 18/05) sete anos de cobrança.

Pelos “estranhos” dados, somente as praças de Serra, Guarapari e Itapemirim apresentam mais de dez mil veículos por mês. Os motoristas são submetidos há três semanas seguintes, no trecho entre Ibiraçu e Fundão, com intermináveis obras de recapeamento, originando engarrafamentos que duram até 40 minutos em cada sentido. O estranho é que esse e outros trechos entre João Neiva e Serra são recapeados anualmente, com a pista apresentando deformidades principalmente na pista no sentido da capital, por onde trafegam, pela madrugada, dezenas de carretas com granito, acima do peso.

Nesses sete anos de cobrança tarifária, somente 1,8 km de pista foi duplicado em Anchieta, 2,2 km em João Neiva, 4,5 km em Ibiraçu, 7,8 km em Iconha (contorno) e 42 km de Viana a Guarapari. Neste período, a Eco101 manteve uma média anual de receita em torno de R$ 180 milhões, de acordo com o balanço divulgado em seu site, e duplicou somente 58,3 (12,2%) dos 475,9 quilômetros entre o trevo de acesso a Mucuri, no Sul da Bahia, e a divisa com o Rio de Janeiro. A FOLHA DO LITORAL é o único jornal que divulga mês a mês as tabelas de estatísticas do tráfego pago na BR-101.

TRÁFEGO PAGO POR PRAÇA – MAIO 2021
Pedro Canário – 126.687 (4.087/dia)
São Mateus – 218.002 (7.032/dia)
Aracruz – 284.854 (9.189/dia)
Serra – 488.572 (15.760/dia)
Guarapari – 349.431 (11.272/dia)
Itapemirim – 355.451 (11.466/dia)
Mimoso do Sul – 217.273 (7.009/dia)

2.628 dias de cobrança (18/05/2014 a 31/05/2021)
2014 (18/05 a 31/12 – 227 dias): 16.684.170 – 7.350/dia
2015 (365 dias): 25.960.951 veículos – 71.126/dia
2016 (366 dias): 24.301.869 veículos – 66.399/dia
2017 (365 dias): 24.527.340 veículos – 67.198/dia
2018 (365 dias): 25.101.761 veículos – 68.772/dia
2019 (365 dias): 25.891.744 veículos – 70.936/dia
2020 (365 dias): 25.153.169 veículos – 68.913/dia
2021 (151 dias): 8.362.341 veículos – 55.380/dia

Total em 2.628 dias: 178.000.310 veículos
67.732 veículos por dia
2.822 veículos por hora
47 veículos por minuto

Bancada capixaba vai convocar Concessionária e Governo Federal para debater atraso na duplicação da BR-101

O atraso na duplicação da rodovia BR-101 será tema de debate convocado pela bancada capixaba no Congresso Nacional. O anúncio foi feito pelo deputado Da Vitória, que cobrou da concessionária empenho na resolução dos atrasos. O apelo foi direcionado especialmente ao trecho Norte, onde o licenciamento ambiental está emperrado devido à Rebio de Sooretama, mas também abrange o trecho Sul, onde os atrasos não têm qualquer relação com impasses dessa natureza.

Da Vitória repudiou a alternativa apresentada pela Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT), de suspender a duplicação em todo o trecho Norte, o que afetaria diretamente seis municípios – Sooretama, Jaguaré, São Mateus, Conceição da Barra, Pinheiros e Pedro Canário.

“A proposta de excluir os seis municípios da duplicação da BR-101 é esdrúxula e pitoresca. Não tem cabimento. O que precisa ser feito é excluir apenas os 25 quilômetros da Reserva de Sooretama enquanto se debate com o Ibama e o ICMBio. A duplicação é estratégica para o desenvolvimento do Estado e para a redução do número de acidentes”, afirmou o parlamentar.

Ele ainda lembrou que, dentro do trecho que compreende os seis municípios, existem duas praças de pedágio funcionando há mais de sete anos. “Não há justificativa de tomar o dinheiro do cidadão e não fazer as obras que estão assinadas em um contrato. Vamos lutar firmes para que a população capixaba receba o devido respeito”, reforçou.

Desvio a Oeste

Na Assembleia Legislativa, já se manifestou sobre o assunto o presidente da Frente Parlamentar de Fiscalização da BR-101, deputado Fabrício Gandini, que apoia a proposta da frente técnica e científica que acompanha o licenciamento ambiental do trecho Norte e defende a realização de um desvio a Oeste da Rebio, de forma a preservar esse patrimônio natural de importância mundial.

O contorno a Oeste, argumentou Gandini, “vai ajudar a desenvolver economicamente aquela região e, na área da reserva, trará um ganho ambiental enorme, mantendo apenas um trânsito local e de baixa velocidade”. Mesmo identificando falha do Ibama em não ressaltar a necessidade de estudos robustos para a proteção da floresta no licenciamento ambiental, Gandini também critica a posição da Eco101, que, segundo ele não tem dedicado esforços para encontrar uma solução realmente sustentável e ambientalmente inteligente para o licenciamento ambiental.

“A Eco101 não quer fazer o desvio. Os documentos deixam claro que a concessionária não quer fazer qualquer contorno da Rebio e tem o apoio da ANTT para isso”, afirma. E os problemas do licenciamento, ressalta, não são o único motivo do atraso das obras. “O trecho Sul está liberado e ela não fez o que estava previsto. Então não é só a licença ambiental que impede de cumprir o contrato”, disse Gandini.

PUBLICIDADE