BR-101 – sete anos de pedágio e somente 12,2 % de duplicação

Nesses sete anos de cobrança tarifária, somente 1,8 km foi duplicado em Anchieta, 2,2 km em João Neiva, 4,5 km em Ibiraçu, 7,8 km em Iconha (contorno) e 42 km de Viana a Guarapari

0
21
Foto: Divulgação/Agência Congresso

No próximo dia 18 serão completados sete anos de cobrança de pedágio na rodovia BR-101. Nestes 2.597 dias (até 30 de abril), a Concessionária Eco101 tem uma média anual de receita em R$ 180 milhões, de acordo com o balanço divulgado em seu site, e duplicou somente 58,3 (12,2%) dos 475,9 quilômetros entre o trevo de acesso a Mucuri, no Sul da Bahia, e a divisa com o Rio de Janeiro.

Nesses sete anos de cobrança tarifária, somente 1,8 km foi duplicado em Anchieta, 2,2 km em João Neiva, 4,5 km em Ibiraçu, 7,8 km em Iconha (contorno) e 42 km de Viana a Guarapari. Em dados sempre imutáveis divulgados em seu site, os boletins de tráfego pago na BR-101 permanecem inalterados desde o dia 18 de maio de 2014, quando começou a cobrança, totalizando cerca de 70 mil veículos por dia nas sete praças, até o último dia 30 de abril (6 anos e 11 meses).

Neste período de sete anos, 176.155.540 veículos diversos pagaram pedágio nas sete praças da rodovia BR-101 no Estado, incluindo os que se utilizam do sistema Sem Parar. Os dados divulgados no site da Concessionária ECO101 não se alteram, ano a ano. Nos 2.597 dias de cobrança, a média é de 67.830 veículos por dia, ou 2.826 por hora ou 47 por minuto.

Os números do tráfego pago variam muito pouco de um mês para o outro, desde o início da cobrança, dados que deixam dúvidas nos deputados estaduais e federais de que exista manipulação por parte da Eco101 para não duplicar trechos com alto índice de veículos, acionando o ‘gatilho’ previsto em contrato, que prevê a duplicação imediata de trechos com mais de 10 mil veículos por dia (como de Aracruz a Itapemirim). A FOLHA DO LITORAL é o único jornal que divulga mês a mês as tabelas de estatísticas do tráfego pago na BR-101.

TRÁFEGO PAGO POR PRAÇA – ABRIL 2021
Pedro Canário – 126.917 (4.231/dia)
São Mateus – 201.837 (6.728/dia)
Aracruz – 256.185 (8.540/dia)
Serra – 425.793 (14.193/dia)
Guarapari – 321.845 (10.728/dia)
Itapemirim – 319.876 (10.663/dia)
Mimoso do Sul – 194.472 (6.482/dia)

2.597 dias de cobrança (18/05/2014 a 30/03/2021)
2014 (18/05 a 31/12 – 227 dias): 16.684.170 – 7.350/dia
2015 (365 dias): 25.960.951 veículos – 71.126/dia
2016 (366 dias): 24.301.869 veículos – 66.399/dia
2017 (365 dias): 24.527.340 veículos – 67.198/dia
2018 (365 dias): 25.101.761 veículos – 68.772/dia
2019 (365 dias): 25.891.744 veículos – 70.936/dia
2020 (365 dias): 25.153.169 veículos – 68.913/dia
2021 (120 dias): 6.517.571 veículos – 54.313/dia

Total em 2.597 dias: 176.155.540 veículos
67.830 veículos por dia
2.826 veículos por hora
47 veículos por minuto

Lucro do Grupo Ecorodovias foi de R$ 331,9 milhões em 2020

O Grupo Ecorodovias Infraestrutura e Logística S.A., detentora da concessão da BR-101 no Espírito Santo e diversas outras rodovias no país, foi de R$ 331,9 milhões em 2020, de acordo com o balanço divulgado em seu site. A receita líquida pró-forma1 atingiu R$ 3.018,3 milhões em 2020. Os custos caixa ajustado foram de R$ 823,5 milhões no ano, e o lucro líquido recorrente de R$ 331,9 milhões. A Eco101, que obteve uma receita bruta de R$ 192,2 milhões em 2019, experimentou uma redução de 7,3% em 2020 e faturou R$ 178,2 milhões.

PUBLICIDADE