Assembleia e Tribunal de Justiça firmam convênio para implantar núcleos mediadores de conflitos

A instalação dos núcleos e a capacitação dos profissionais, pelo convênio, devem ocorrer nos próximos dois anos

0
23
Erick Musso com o presodente do Tribunal de Justiça, desembargador Ronaldo Gonçalves de Sousa, firmando acordo de cooperação inédito no país, com o intuito de instituir no Parlamento núcleos permanentes que utilizem ferramentas de medidas pacíficas para a solução de conflitos, dentro do conceito da cultura de paz. Foto: Divulgação

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Erick Musso, e o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Ronaldo Gonçalves de Sousa, firmaram na manhã de quarta-feira 18, um acordo de cooperação inédito no país, com o intuito de instituir no Parlamento núcleos permanentes que utilizem ferramentas de medidas pacíficas para a solução de conflitos, dentro do conceito da cultura de paz.

A ideia é instituir nos próximos anos as Mediação Escolar, Mediação Comunitária, Comunicação Não Violenta e Círculos de Construção dentro da Casa Legislativa, com o auxílio do Programa Reconstruir o Viver, do Poder Judiciário. O acordo permite que servidores do Parlamento sejam treinados por técnicos componentes do Programa Reconstruir para que, dentro desses núcleos, possam ser multiplicadores de ações que resgatem a cidadania e a busca da pacificação social em conflitos existentes ou iminentes.

A instalação dos núcleos e a capacitação dos profissionais, pelo convênio, devem ocorrer nos próximos dois anos. “Mais uma vez saímos na frente, somos pioneiros no país em cuidar e atender ao capixaba. A previsão de instalação desses núcleos na Assembleia Legislativa que vão trabalhar a cultura da paz na mediação de conflitos é mais um passo para o respeito às relações de convivência. Seremos multiplicadores das ações buscando o resgate da cidadania da nossa gente e a busca da pacificação social”, disse o presidente Erick Musso.

PUBLICIDADE