Aracruz retoma rodízio para abertura do comércio não essencial

Mudança está em novo decreto publicado pela Prefeitura de Aracruz, o 25° desde o início da pandemia do novo coronavírus

0
263
Foto: Divulgação/Prefeitura de Aracruz

A Prefeitura de Aracruz tentou amenizar as restrições ao comércio, mas não teve jeito. Com alto risco para a transmissão do novo coronavírus no Mapa de Gestão de Risco do Governo do Estado, o município retoma o rodízio para a abertura dos estabelecimentos que não são considerados essenciais a partir da próxima segunda-feira 13. O funcionamento – com base nos dias ímpares e pares do calendário (exceto sábados, domingos e feriados) – será das 10h às 16h, de acordo com o decreto municipal n° 38.201 (faça o download aqui), publicado nesta sexta-feira 10.

Nos dias ímpares, abrirão copiadoras, gráficas e lojas de material de construção; instrumentos musicais; móveis e eletrodomésticos ou peças automotivas, além de marmorarias, papelarias e vidraçarias. Já nos dias pares, irão funcionar armarinhos, concessionárias de veículos, floriculturas e lojas de calçados; colchões; malhas e tecidos; roupas ou utilidades do lar, além de óticas, perfumarias e relojoarias.

RODÍZIO DO COMÉRCIO EM ARACRUZ
Veja o que abre e fecha nos dias ímpares;
Veja o que abre e fecha nos dias pares.

Distribuidoras de bebidas e lojas de conveniência irão funcionar de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h. Após esse horário, assim como os fins de semana e feriados, o atendimento deverá ser exclusivamente na modalidade de delivery. Lanchonetes, pizzarias, restaurantes e sorveterias também irão funcionar de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h.

O comércio essencial mantém-se funcionando no horário regular e habitual. Já bares, cafeterias, confeitarias, food trucks e congêneres seguem parcialmente abertos (funcionando somente com entrega imediata ou em domicílio). Por falar em delivery, não há limitação de horário para funcionamento deste serviço para nenhum estabelecimento comercial, que seguem obrigados a seguir as regras de biossegurança já determinadas pelo município.

Ainda de acordo com o novo decreto, a feira livre do Mercado Municipal segue funcionando na quinta e sexta-feira, das 10h às 20h, e o transporte público municipal, garantindo a oferta de 70% da frota circulando entre segunda-feira e sábado, segue sem operar aos domingos e feriados.

Prefeitura tentou justificar funcionamento de segunda a sexta ao Governo do Estado

Baseado nas peculiaridades e nas características geográficas e urbanísticas de Aracruz, o último decreto (n° 38.183, de 06/07/2020) autorizou que o comércio não essencial funcionasse de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h. A medida foi tomada depois que o Governo do Estado anunciou que municípios com menos de 70 mil habitantes poderiam escolher o melhor horário para abertura do comércio, desde que a carga horária não superasse o limite de seis horas diárias e que as lojas funcionassem até 18h.

Embora Aracruz tenha 101.220 habitantes, de acordo com estimativa mais recente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a prefeitura considerou o fato de os moradores estarem distribuídos em três regiões – sede, orla e interior – com culturas e adensamentos populacionais diferentes da região metropolitana. O Governo do Estado, no entanto, discordou da justificativa.

Sujeita a retomar o rodízio estabelecido pelo governo estadual para o funcionamento do comércio, a Prefeitura de Aracruz, então, tentou manter a abertura das lojas entre 12h e 18h ao invés de 10h e 16h, mas também não obteve sucesso. Como o número de casos confirmados de covid-19 no município segue aumentando (já são mais de 1,3 mil), a situação não parece estar perto de ser revertida. É que para a determinação de medidas menos restritivas, o município precisa voltar a ter situação moderada no Mapa de Gestão de Risco do Governo do Estado.

Para comerciantes, rodízio não é solução

Comerciantes ouvidos pela reportagem da FOLHA DO LITORAL são unânimes em dizer que o esquema de rodízio, além de não reduzir o fluxo de pessoas nas ruas, provoca aglomerações ao ponto em que desfavorece o isolamento social, dado que o cliente que vai ao comércio no dia ímpar terá que voltar no dia par para terminar de resolver suas demandas e vice-versa.

No último dia 03, o jornal publicou reportagem mostrando a indignação dos comerciantes (veja ou reveja aqui). Forçados a fechar as portas com base nos dias ímpares e pares do calendário, eles temem que a situação acabe sufocando os negócios e por entenderem que a medida não irá frear o avanço da covid-19, pedem a abertura integral do comércio não essencial. Afinal, dependem das vendas do dia a dia para que eles possam se manter, assim como seus colaboradores, fazendo a roda da economia girar.

O QUE ABRE NOS DIAS ÍMPARES (10H ÀS 16H)
Copiadoras, eletroeletrônicas, estúdios de revelação e impressão fotográfica, gráficas, livrarias, lojas de eletrodomésticos; eletroeletrônicos; ferragens; ferramentas; instrumentos musicais; materiais para pintura; material de construção; material elétrico; material hidráulico; móveis; peças automotivas ou telefonia celular, marmorarias, papelarias e vidraçarias.

O QUE ABRE NOS DIAS PARES (10H ÀS 16H)
Armarinhos, bombonieres, chocolaterias, concessionárias de veículos, floriculturas, joalherias, lojas de artigos para festas; bijuterias; bolsas e acessórios; calçados; colchões; cosméticos; embalagens e descartáveis; malhas e tecidos; material esportivo; roupa de cama, mesa e banho; utilidades do lar ou vestuário, óticas, perfumarias e relojoarias.

O QUE ABRE DE SEGUNDA A SEXTA-FEIRA (10H ÀS 16H)
Açaiterias, distribuidoras de bebidas, lanchonetes, lojas de conveniência, pizzarias, restaurantes e sorveterias.

O QUE ABRE SEM RESTRIÇÃO DE DIA E HORÁRIO
Açougues, agropecuárias e congêneres, armazéns, bancas de jornais e revistas, barbearias, borracharias, casas lotéricas, clínicas de estética ou fisioterapia, clínicas médicas; odontológicas ou veterinárias, comércio atacadista, consultórios médicos ou odontológicos, correspondentes bancários, distribuidoras de água mineral e gás de cozinha, drogarias, escritórios de advocacia, escritórios de contabilidade, estabelecimentos de reparação veicular, farmácias, hotéis, instituições financeiras, laboratórios de análises clínicas, lavanderias, lojas de produtos alimentícios, lojas de venda e serviços de informática, lojas e conveniência, mercearias, oficinas de máquinas agrícolas, oficinas mecânicas, padarias, pet shops, postos de combustíveis, pousadas, prestadoras de serviços de internet, salões de beleza, studios de pilates e super/hipermercados.

PUBLICIDADE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui