Aracruz é referência naval para o Brasil

Aracruz é maior polo naval do Estado

0
648
Foto: divulgação Portocel, Terminal Aquaviário de Transpetro, Porto de Barcaças da Norsul, Porto de Barra do Riacho e o Estaleiro Jurong fazem do município de Aracruz o maior polo naval do Estado, fortalecido pelo futuro Porto da Imetame

O Estaleiro Jurong transformou o Espírito Santo em referência de polo naval para o Brasil. Além do Portocel, Terminal Aquaviário da Transpetro, Porto de Barcaças da Norsul, Porto de Barra do Riacho e o Estaleiro Jurong, o município de Aracruz se consolida como o maior polo naval do Estado, fortalecido pelo futuro Porto da Imetame.

Em sua coluna no jornal A Gazeta, a jornalista Beatriz Seixas fez uma análise sobre a importância de Aracruz na solução dos gargalos de infraestrutura nas atividades portuárias do Estado, após a entrada em operação do Porto da Imetame. O município conta com uma variada atividade portuária. O Portocel, da Suzano e Cenibra, é especializado no embarque de celulose, produtos florestais e outras cargas, sendo um dos mais eficientes do mundo. O Estaleiro Jurong, do grupo asiático Sembcorp Marine, de Singapura, é um dos mais modernos em operação no mundo, construindo embarcações como o navio-plataforma P-68, que opera na área do pré-sal na Bacia de Santos, em São Paulo.

Ao lado do Portocel está o Terminal Aquaviário de Barra do Riacho (TABR), da Transpetro, que recebe o GLP (gás de cozinha) e a gasolina natural (C5+) da Unidade de Tratamento de Gás de Cacimbas (UTCG), em Linhares, e dali os produtos são transportados por navios e carretas.

A Codesa possui, também ao lado, a área do Porto de Barra do Riacho, que deve ser implantado após a desestatização da empresa, atraindo para a região os grandes players do mercado (grandes investidores institucionais e megacorporações). Também se arrasta há alguns anos a possibilidade de Aracruz sediar uma Zona de Processamento de Exportação (ZPE).

Porto da Imetame aguarda autorização federal
Para iniciar a construção na área marítima, que engloba itens como quebra-mar, píer e dragagem em Aracruz, a Imetame Portos aguarda a concessão do alvará pela secretaria de Patrimônio da União (SPU). A informação é do diretor executivo Gilson Pereira, à coluna Mundo Business, no site Folha Vitória. A Prefeitura de Aracruz concedeu o prazo de 12 anos de isenção de incentivos fiscais para a implementação e operação do novo terminal portuário.

A expectativa de liberação do alvará era em novembro último, e a Imetame ainda aguarda o documento e diz que pode sair a qualquer momento. O porto em Aracruz impulsionará a logística de todo o Brasil, por se tratar de uma das principais obras de infraestrutura portuária do Brasil.

O Porto da Imetame é um projeto de R$ 1 bilhão e vai receber navios gigantes e colocar o País na rota dos supernavios Post-Panamax (aqueles que não passam nas eclusas do Canal do Panamá), com calado de até 16 metros e que ainda não atracam na costa brasileira. Gilson Pereira ainda disse que as obras terrestres já começaram, ao lado do Estaleiro Jurong Aracruz (EJA).

O novo porto em Aracruz – no município já existem o Portocel, Porto de Barra do Riacho, Terminal Aquaviário de Barra do Riacho e Estaleiro Jurong – será o segundo de maior profundidade no Brasil, com 16 metros, dividindo com o porto de Paranaguá (PR) e atrás apenas do Porto de Itaguaí (RJ), com 20 metros.

Projeto do Porto da Imetame
Gilson Pereira relata que “com a queda do preço do petróleo e a Lei dos Portos, que permitiu portos privados operarem carga geral, mudamos o conceito do Porto da Imetame em Aracruz. Deixou de ser um projeto de terminal especializado e se voltou para um terminal multipropósito, que pode atender carga geral, contêineres e granéis líquidos e sólidos”. A Imetame é uma empresa capixaba do ramo de metalmecânica e montagem industrial fundada por Ettore Cavalieri em 1980. Em 2009, com a criação da Imetame Logística Porto, surgiu o sonho da Imetame construir um porto especializado para atender a indústria offshore.

Antaq abre consulta pública sobre desestatização dos portos de Vitória e Barra do Riacho
A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) abriu a consulta pública sobre os estudos do projeto de desestatização dos portos de Vitória e o de Barra do Riacho, em Aracruz, administrados pela Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa).

Para o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, “como prometido, teremos a primeira desestatização portuária do Brasil, começando com os portos de Vitória e de Barra do Riacho, e a ideia é a partir desse modelo implantar em outros portos. A desestatização é uma prioridade do Governo Federal”, destacou Freitas.

As audiências serão virtuais e os documentos estarão disponíveis para consulta e contribuições no site da Antaq, por 45 dias, a partir do dia 28/12. A audiência pública presencial será agendada futuramente. A ideia é transferir para a iniciativa privada, que já atua na operação portuária, a gestão das infraestruturas e áreas públicas, trazendo melhorias operacionais e na qualidade dos serviços prestados, além de maior agilidade e capacidade de realizar os investimentos necessários.

O projeto, que está sendo estruturado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), sob a coordenação do Ministério da Infraestrutura, apresentará os estudos que embasam a modelagem de concessão dos portos de Vitória e Barra do Riacho, por 35 anos, e os principais aspectos regulatórios para exploração. Assim, serão levados para discussão as propostas de tarifário, os parâmetros de desempenho, as formas de exploração indireta das áreas, a sub-rogação de contratos, entre outros. Também serão analisados, em consulta pública, a previsão de investimentos estimados e o potencial de desenvolvimento das áreas greenfield.

PUBLICIDADE