Você está aqui: Home › Colunas › Marcos Paulo
Marcos Paulo

E-mail: folhalitoral@uol.com.br

17/02/2017
Condenado

O ex-candidato a deputado estadual por Serra, Wanildo Pascoal Sarnaglia, foi condenado a ressarcir em R$ 23.176,65 o motorista José Papaceni Regemiguel, que lhe prestou serviços de transporte durante as eleições de 2010. O motorista teria assinado um documento a pedido do contador da campanha do réu, vindo posteriormente a descobrir que se tratava de uma declaração de doação, no valor de R$ 6.473,00, superior ao permitido legalmente. No processo 0036247-17.2012.8.08.0048, o autor da ação afirma ter alugado para o requerido um veículo Kombi, pelo valor de R$ 4 mil, com o compromisso de transportar seus funcionários de campanha pelo período de 60 dias.

 

Greve da PM

Um profissional liberal da região, revoltado com o movimento de alguns policiais militares, escondidos atrás das esposas, desabafou nas redes sociais com o seguinte texto. Só pra lembrar. Estamos no topo da maior crise econômica, política e moral do nosso País. Treze milhões de desempregados, empresas privadas reduzindo salário dos empregados para manter o emprego, saúde, educação e segurança em frangalhos. A fome rondando milhares de famílias. Futuro incerto para todos com a queda brutal da arrecadação de impostos. A sociedade civil cansada de pagar as contas da mais obesa de todas as folhas de pagamento de servidores públicos do planeta. Estamos rentes a uma revolta geral da parcela pagante da população, já cogitando uma desobediência civil geral que, se ocorrer, não haverá nem mesmo os já minguados recursos para pagar as contas públicas. E aí? Pergunto eu! Onde isso vai parar? Será que todos estão sabendo como está a situação? Será bom mesmo piorar as coisas até o limite? E o bom senso, onde fica? Se alguém souber, me explica! Ah! Esqueci. E a democracia? Como vai ficar? Já está capenga. Ou não?

 

Mão peluda

Em entrevista à Folha de S. Paulo, publicada na segunda-feira 13, o governador Paulo Hartung (PMDB), mais uma vez, tentou politizar o movimento reivindicatório da Polícia Militar. Para ele, o episódio, que causou mortes e deixou a população capixaba refém da violência por mais de uma semana no Espírito Santo, tem a "mão peluda da política para desestabilizar um Estado que só vinha com notícia boa". Ele acredita que sua política de austeridade tem causado uma reação e cita as redes sociais como um vetor da onda de ataques para prejudicar seu governo. MP acha que não é apenas uma mão, mas várias... E bem peludas!

 

Aviso aos PMs (nem todos)

Lembra da padaria que você, PM, tomava cafezinho toda manhã e tarde? Pois é, quebrou!  

Lembra do supermercado que você dava apoio e ganhava seu almoço? Pois é, agora contratou segurança particular, agora o almoço é dele.

Lembra dos banheiros que você usava no comércio? Fechou também, quebrou, logo após aquela invasão.

Lembra da amiga simpática que você adorava bater papo no comércio? Foi demitida, e a outra? Está no DML.

Lembra do seu salário em dia? Pois é, talvez não venha a ser, pois seus dias de manifestação conseguiram reduzir drasticamente a arrecadação, então o seu e os demais salários vão atrasar um pouquinho. Mas aguenta aí...

Lembra o carinho e respeito que a população tinha com a Polícia Militar? Pois é, agora dará lugar não ao respeito, mas ao medo, tristeza.

Uma imagem construída em mais de 100 anos que vocês destruíram em uma semana, pois colocaram à frente dos seus interesses a vida da população.

VIDA NÃO É MOEDA DE TROCA.

A população não é o governo. 

Vocês miraram no alvo errado e atiraram sem dó.

Negociar com a nossa vida deveria, no mínimo, ser criminoso.

(Copiado da Utilidade Capixaba ES)

Veja mais em "Marcos Paulo" [veja todos]

Edição da Semana

Coluna
Beth Vervloet

Confira aqui as notícias da sociedade e as fotos de quem é notícia em Aracruz e região.

Fórum do Leitor

Entre e deixe o seu comentario em nosso livro de visitas!