Você está aqui: Home › Colunas › Marcos Paulo
Marcos Paulo

E-mail: folhalitoral@uol.com.br

09/01/2015
Improváveis

O ano de 2014 nos ensinou a não subestimar o improvável:

Eike Batista pobre
Xuxa demitida da Globo
André Marques magro
Petrobras falida
Seca em São Paulo
Dilma reeleita
Rubinho Barrichelo campeão
Eurico Miranda presidente do Vasco
Meu Botafogo rebaixado

 

Ação policial

O Comando do 5º BPM apresentou o relatório dos serviços operacionais do Réveillon em Aracruz, Fundão, Ibiraçu e João Neiva. Foram abordados 901 veículos, entre motos, carros de passeio, ônibus e taxis, além de 109 pedestres. Conduzidos 11 menores (eles sempre são maioria) e seis maiores ao Departamento de Polícia Judiciária, aprendidos 27 papelotes de maconha, 51 sacolinhas de cocaína, 10 pedras de crack, 30 munições de Cal. 22, 02 munições de Cal. 38, 01 revólver Cal. 32, 01 pistola Cal. 380 com 12 munições intactas, R$ 681,50, 01 simulacro de pistola e uma espingarda de fabricação caseira.

 

Quadrilha

Em meio à série de denúncias nascidas na operação “lava jato”, a Petrobras decidiu impedir que 23 empresas sejam contratadas e participem de novas licitações da companhia. Todas foram apontadas como participantes de um cartel em depoimentos prestados à Justiça Federal no Paraná. A citação foi feita nas falas do ex-diretor de abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa, do doleiro Alberto Youssef e dos empresários Julio Gerin de Almeida Camargo (Grupo Toyo) e Augusto Ribeiro de Mendonça Neto (Grupo Setal). Dirigentes de algumas das empresas apontadas já viraram réus em ações penais. A medida atinge as seguintes empresas, algumas delas operando em obras particulares em Aracruz.

1) Alusa

2) Andrade Gutierrez

3) Camargo Corrêa

4) Carioca Engenharia

5) Construcap

6) Egesa

7) Engevix

8) Fidens

9) Galvão Engenharia

10) GDK

11) IESA

12) Jaraguá Equipamentos

13) Mendes Junior

14) MPE

15) OAS

16) Odebrecht

17) Promon

18) Queiroz Galvão

19) Setal

20) Skanska

21) TECHINT

22) Tomé Engenharia

23) UTC

 

Versão Brasileira?

A dublagem brasileira é considerada uma das melhores do mundo. Está certo que é uma alternativa inclusiva, que universaliza a arte cinematográfica a todas as classes sociais e até mesmo a deficientes visuais, por exemplo, mas Herbert Richers que me perdoe: filme estrangeiro, para mim, tem que estar no áudio original. Apesar de exigir certo dinamismo na leitura, dá para assimilar textos com imagens, sim senhor. O áudio original preserva piadas, a voz real dos atores, transmite a cultura e o linguajar do país de origem, além de mensagens e nuances que um diretor passa ao espectador na mixagem de som. É o filme tratado como uma obra de arte completa, sem retoques de terceiros, como ele foi feito para ser assistido. De acordo com uma pesquisa realizada pela indústria do cinema no país, mais de 80% do público nacional prefere assistir a filmes dublados e isso faz com que os empresários do ramo tenham que agradar a maioria onde as telonas são escassas – como é o caso de Aracruz, que (ainda) só possui uma sala no Shopping Oriundi. Está certo, isso é democracia. Entretanto, já que temos nos conscientizado tanto em lutar pelas minorias neste país, porque não pensar também em nós, amantes das letrinhas? Reservem-nos uma sessão, pelo menos, de áudio original nos cinemas! Dessa forma, ficam felizes os que preferem áudio brasileiro e nós também teríamos uma sessãozinha livre de pérolas antigas, como chamar um policial de “tira” – quem chama polícia de tira no Brasil, por caridade? – ou mesmo de falácias modernas, como no atual “Êxodo: Deuses e Reis”, quando Moisés (Christian Bale), ao ordenar flechadas de seus arqueiros, grita “fogo!” mesmo vivendo séculos antes da invenção da pólvora, quando essa expressão começou a ser utilizada na artilharia. Impor filmes dublados é incentivar a geração facebook/WhatsApp a continuar escrevendo errado...

 

Absolutamente nada

Por João Silvino

Santa Rosa/Guarujá/SP

O que espera o povo em termos de mudanças no sistema político brasileiro, para o ano de 2015, do primeiro dia de janeiro até o último de dezembro? Absolutamente nada. Pesquisas do Day After Day – rádio peão – indicam que a confiança nos órgãos e administradores públicos caiu desenfreadamente. Está mais fácil acreditar em duendes, em discos voadores e extraterrestres. O mais provável para os próximos meses e mais anos, serão a descoberta de mais corruptos e corruptores, mais superfaturamentos em obras públicas, mais aumentos de preços para gêneros alimentícios e outros meios de subsistências. O mais provável ainda é que o trabalhador continue sendo tratado com o mesmo salário de fome, enquanto gente do alto clero comece o dia com novo salário de reis e rainhas. Teremos mais indultos e regalias para presos extremamente perigosos, que jamais deveriam sair da cadeia para cometerem crimes e nos aprisionarem em nossas casas, mais salários reclusão e a continuidade de mortes cometidas por menores de alta periculosidade. Num país onde quem dirige bêbado, seja artista, intelectual, agente público ou pessoa comum, atropela, mata, causa estragos e danos ao patrimônio público e às pessoas de bem, é impossível uma previsão otimista. O que esperar de um país onde os eleitos para os poderes executivos e legislativos têm as mesmas caras? Absolutamente nada. Previsões indicam que continuaremos com as mesmas culturas inúteis nos meios de comunicação; músicas que fazem apologias ao sexo, droga, violência e pessoas sem talento algum. O preconceito contra raça e classe social permanecerá. Ouviremos as mesmas ladainhas e desculpas pelas mentiras pregadas nos palanques e panfletos. Continuaremos pagando pelos horários eleitorais e medos estampados nos rostos de cada pai e mãe de famílias que são assassinados ou perdem seus filhos da mesma maneira. Isso não é um diário pessimista, mas o a realidade nos faz acreditar no continuísmo. O que esperar de nosso Day After Day? Absolutely nothing.

Veja mais em "Marcos Paulo" [veja todos]

Edição da Semana

Coluna
Beth Vervloet

Confira aqui as notícias da sociedade e as fotos de quem é notícia em Aracruz e região.

Fórum do Leitor

Entre e deixe o seu comentario em nosso livro de visitas!