Você está aqui: Home › Colunas › Artigos
Artigos

E-mail: folhalitoral@uol.com.br

07/11/2014
Uma mensagem para os farrapos e os tapetes | Pedro Valls Feu Rosa

Nunca conheci alguém que fosse contra os pobres e os analfabetos. Sim, não há quem seja contra eles – e muito pelo contrário. É realmente curioso: dos mais finos salões frequentados pelos líderes mundiais aos menores e mais simples prédios das administrações locais, todos são a favor deles!

 

No entanto, eles continuam existindo. A humanidade já tem riqueza e tecnologia suficientes para eliminar a pobreza, mas lá estão eles! Seja ao redor das mais requintadas capitais europeias, nos subúrbios das metrópoles norte-americanas ou nos vibrantes centros asiáticos, lá estará um farrapo, testemunha viva da hipocrisia de uma raça.

 

Dizem alguns que os farrapos incomodam. Deve ser verdade. Afinal, enquanto gasta-se, sob as nossas vistas, tantas fortunas com armas, corrupção e desmandos administrativos, lá está um irmão nosso a nos lembrar que talvez estejamos sendo omissos. Sim, os farrapos incomodam muita gente. Há que se afastá-los da paisagem, pois. Mas como fazer? Afinal, não nos esqueçamos de que todos são a favor deles! A solução tem sido tão sutil quanto cruel: como não se pode proibir a presença dos farrapos, a saída é escondê-los e convencê-los a não aparecer.

 

Na França, por exemplo, um bairro chique convivia com a miséria de alguns casebres instalados a poucos metros. O governo local, ao invés de enfrentar o problema da pobreza, decidiu ser melhor levantar um muro para separar as duas comunidades. Ao invés de acabar com a barreira da vergonha, optou-se pela vergonha da barreira.

 

Iniciativas assim tem proliferado. Seja nos muros construídos entre países, seja naqueles que cercam pequenas comunidades do interior da França, Alemanha e Suíça, lá estará alguma verdade desagradável sendo varrida para debaixo dos tapetes – que, no entanto, algum dia não terão mais espaço.

 

Há também a opção por mecanismos mais sutis – o idioma é um deles. E assim, em Shanghai, virou moda dar nomes ingleses às lojas e estabelecimentos que os indesejáveis não deveriam frequentar. O processo de seleção passou a ser natural: afinal, não se espere de uma pessoa menos favorecida pela vida que vá a um "Mall" frequentar um "Barbecue Place" e pedir um "steak" com "smashed potato" – será humilhação na certa!

 

Esta forma de exclusão passou a ser utilizada de forma tão intensa e extensa que o próprio governo da China acabou por proibir nomes estrangeiros e cardápios em inglês – afinal, respeite-se o idioma pátrio!

 

Outra forma de convencimento, igualmente eficiente, tem sido o clamor pela segurança. Funciona assim: quando um indesejável ousa entrar em um ambiente que não lhe é destinado, imediatamente surge a presença constrangedora de um segurança nas proximidades.

 

É realmente curioso: nos EUA, 53% dos furtos acontecidos em lojas são fruto da ação de representantes das classes alta e média daquele país – os prejuízos montam a mais de US$ 2 bilhões anuais. Enquanto isso, recentemente, um grupo de brasileiros foi recepcionado em um "Shopping" de Las Vegas com a seguinte mensagem, veiculada no sistema de alto-falantes: "reforcem a segurança, pois há brasileiros circulando".

 

Mas deixe isso pra lá! É domingo. Vá a alguma "steak house" e saboreie um bom "barbecue" – só tome o cuidado de pisar macio no tapete, pois pode haver alguém varrido para debaixo dele.

 

O autor é desembargador e ex-presidente do Tribunal de Justiça do Espírito Santo.

Veja mais em "Artigos" [veja todos]

Edição da Semana

Coluna
Beth Vervloet

Confira aqui as notícias da sociedade e as fotos de quem é notícia em Aracruz e região.

Fórum do Leitor

Entre e deixe o seu comentario em nosso livro de visitas!