Programa ajuda escolas municipais a enfrentar desafio da alfabetização tardia

Seu objetivo é auxiliar no aprendizado da leitura e da escrita, permitindo que alunos que ainda não adquiriram as habilidades de ler e escrever no tempo correto possam se desenvolver eficazmente

0
17
Foto: Divulgação/Secom PMA

Em parceria com o sistema de ensino Aprende Brasil, a secretaria de Educação de Aracruz levou para as escolas da Rede Municipal de Ensino o Letrix, programa para ajudar a solucionar a alfabetização tardia no município. Seu objetivo é auxiliar no aprendizado da leitura e da escrita, permitindo que alunos que ainda não adquiriram as habilidades de ler e escrever no tempo correto possam se desenvolver eficazmente.

“O programa está sendo desenvolvido em 28 escolas de Ensino Fundamental, atendendo aproximadamente 3,7 mil estudantes que não tiveram a oportunidade de se alfabetizar na idade indicada pela legislação. Uma das abordagens do programa que nos chama a atenção é o respeito à fase da vida em que a criança está com atividades direcionadas para esse público”, ressalta Jenilza Spinassé, secretária municipal de Educação.

O processo não está relacionado apenas aos alunos que não sabem ler nem escrever, mas a uma série de níveis diferentes de aprendizagem, sendo que alguns leem, mas não escrevem, já outros são capazes de ler e escrever, mas não conseguem interpretar o que estão lendo. Em outros casos a criança é capaz de ler e escrever, mas comete muitos erros ortográficos, por isso equalizar o aprendizado nessas duas competências é um desafio complexo para pais e educadores.

Coordenadora do Letrix em Aracruz, a professora e pedagoga Dulcinéia Ruy Nossa destaca: “Esse programa trouxe um ganho no desempenho da linguagem escrita alinhado aos benefícios da memória da linguagem oral e da compreensão de texto. Diante do que foi trabalhado, notamos que a partir da prática de leitura os estudantes tiveram a oportunidade de conhecer os mecanismos que ajudam a administrar melhor a sua produção, ampliando sua visão de mundo, enriquecendo seu vocabulário, bem como desvendando o universo leitor”.

A professora Suelle Niero Demonier Bastos, do CMEB Honório Nunes de Jesus, conta que o método ajudou a atrair a atenção dos estudantes: “Há muitas imagens coloridas, alfa-jogos, passatempos e textos em formato de tirinhas, histórias em quadrinhos, entre outros. Esses formatos diferenciados tornam o material mais atrativo para as crianças, que demonstram muito entusiasmo para realizar as atividades”.

“O material tem muitas atividades divertidas”, destacou Yasmin Lima Santos, aluna do 5º ano do CMEB Honório Nunes de Jesus. Já Luana Neres Rosa, do 5º ano da EMEF Professora Bárula dos Santos Neves, relata que “é mais fácil aprender brincando”.

PUBLICIDADE