Deputado Alcântaro Filho apresenta proposta de duplicação dos trechos perigosos da BR-101

Relator da Comissão Especial de Fiscalização da Infraestrutura da BR-101, BR-262 e Rodosol na Assembleia Legislativa, o deputado Alcântaro Filho apresentou proposta de duplicação imediata dos trechos mais perigosos

0
44
Alcântaro Filho não concorda com o prazo de esperar por mais um período de até quatro anos para o governo federal autorizar nova licitação para a concessão da BR-101

Intransitável quase o dia inteiro e apelidada de “Máquina da Morte”, a rodovia BR-101
apresenta um quadro de saturação intensa e intermináveis obras no ‘sistema pare e siga’, levando o tempo de uma viagem entre Linhares e Serra (120 km) em até absurdas cinco horas. Relator da Comissão Especial de Fiscalização da Infraestrutura da BR-101, BR-262 e Rodosol na Assembleia Legislativa, o deputado Alcântaro Filho apresentou proposta de duplicação imediata dos trechos mais perigosos, não concordando em esperar por mais um período de até quatro anos.

Ou o governo prioriza uma nova licitação avaliando a viabilidade, em todos os setores, de se tirar esses trechos onde se tem controvérsia para fazer a duplicação nos trechos que já estão pacificados e licenciados, ou então, se for perdurar essa proposta de quatro anos [de transição até novo contrato], que seja reavaliada uma duplicação pelo menos nos trechos críticos entre João Neiva e Serra, que é um dos mais perigosos do Brasil“, sugeriu o deputado representante de Aracruz e região no Legislativo.

No último dia 22, a Comissão Especial realizou reunião extraordinária híbrida para atualizar a situação da concessão da BR-101 no Estado, com a presença do representante do grupo paulista Ecorodovias, proprietário da Concessionária Eco101, de órgãos federais e estaduais.

O deputado Fabrício Gandini, presidente do Colegiado, enfatizou o atraso das obras e as necessidades da população por uma rodovia à altura da economia do Estado. Para ele, é urgente licitar a BR-101, responsável por 70% do fluxo de veículos no Espírito Santo.

No dia 15 de julho de 2022 a Eco101 solicitou, junto à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), a finalização amigável do contrato de concessão, iniciado em 2013 e previsto para terminar em 2038. No início de dezembro, a ANTT aceitou a rescisão contratual. “Quando, lá atrás, comemoramos que iria interromper a máquina de matar, porque a BR-101 sempre foi uma máquina de matar, infelizmente, dez anos depois, e com perspectiva de serem 14 anos, vamos ter duplicados somente 79 quilômetros da rodovia. Persiste, portanto, a máquina de matar no Espírito Santo. Depois desta reunião, tenho a certeza que não podemos esperar mais quatro anos assistindo os capixabas morrerem“, ressaltou Gandini.

Contrato em vigor
O técnico em regulação de serviços da ANTT, Alexandre Presto, esclareceu que o contrato de concessão com a Eco101 continua em vigor, pois ainda não foi assinado o seu cancelamento e tampouco o termo aditivo. Por esta razão, o órgão federal continua cobrando o cumprimento dos compromissos contratuais, que continuam válidos.

PUBLICIDADE