BR-101 é uma máquina de matar, diz deputado Gandini

0
9
Deputado Fabrício Gandini. Foto: Divulgação/Ales

Um absurdo! A Concessionaria Eco101 informou aos deputados estaduais, durante a reunião da Comissão Especial de Fiscalização das BRs-101, 262 e Rodovia do Sol, na quarta-feira 22, que serão necessários 14 anos para duplicar apenas 70 km da rodovia BR-101, do total de 385,9 km. O presidente da Comissão, deputado Fabrício Gandini, não se conteve e disse que a rodovia, como está, é uma “máquina de matar”.

Gandini disse que a rodovia já registrou 155 mortes em acidentes no ano passado e mais 60 nos três primeiros meses deste ano, e pediu pressa na nova concessão para evitar a perda de mais vidas, e reagiu com indignação à informação de Roberto Amorim Junior, diretor-superintendente da EcoRodovias, grupo que representa a Eco101, de que a concessionária só irá duplicar somente 7,7 quilômetros da rodovia em até quatro anos, prazo máximo que deve durar a transição para que uma nova empresa assuma o contrato.

Caso isso se confirme, a Eco101 terá duplicado apenas 70 quilômetros, no prazo de até 14 anos, quando a previsão inicial do contrato, que foi deixado pela empresa no ano passado, era de que seriam duplicados 385,9 dos 475,9 quilômetros de rodovia.

“A BR-101 é uma máquina de matar. Comemoramos lá atrás porque achávamos que iríamos interromper isso. Infelizmente, 10 anos depois, e com perspectiva de serem até 14 anos após a Eco101 ter iniciado o contrato, a empresa terá duplicado somente 70 km”, declarou o deputado estadual.

De acordo com Gandini, a sociedade capixaba não pode esperar mais pela duplicação da BR-101, que é o principal corredor logístico rodoviário e meio de ligação, direta ou indiretamente, da maioria dos municípios. Sobretudo, porque os capixabas estão morrendo todos os dias na rodovia.

“Toda semana tem um vídeo com a dinâmica das mortes ocorrendo. Pelo descuido das pessoas, mas também mortes que seriam evitadas se a rodovia tivesse sido duplicada no prazo legal. Não podemos esperar por mais quatro anos para não fazerem nada, sendo que ficaram 10 anos e não duplicaram. Alegaram que não poderiam duplicar o trecho Norte. Mas o trecho Sul está todo licenciado. Por que não foi duplicado?”, questionou o parlamentar.

O outro lado

No dia 15 de julho de 2022 a Eco101 solicitou à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) a finalização amigável do contrato de concessão, iniciado em 2013 e previsto para terminar em 2038. No início de dezembro, a ANTT aceitou a rescisão contratual.

Roberto Amorim Júnior, diretor-superintendente da EcoRodovias, grupo que representa a Eco101, apresentou aos deputados a proposta que está em discussão para as atividades de transição da devolução da concessão da rodovia BR-101 até 2025, depois do encerramento do contrato. Fez também apresentação das obras recentemente realizadas e aquelas em andamento.

Segundo ele, a empresa executa uma das menores tarifas do País e que está adequada às entregas realizadas pela concessionária. Motoristas de moto pagam R$ 2,45 e os de automóveis têm tarifa de R$ 4,90 na praça de São Mateus. Amorim Júnior garantiu que nesse período de transição os equipamentos de apoio, como ambulâncias e guinchos, não serão retirados. Ele disse que é um serviço que tem sido bem avaliado e a intenção é de, no mínimo, manter o que está em operação.

PUBLICIDADE