Audiência pública em Aracruz discute segurança nas escolas

O encontro proposto pelo presidente do Colegiado, deputado Alcântaro Filho, foi realizado no auditório da Oficina de Artes, no bairro Coqueiral, em Aracruz, localizada a poucos metros dos colégios onde ocorreram os crimes

0
35
Reunião da Comissão de Proteção à Criança e ao Adolescente pediu ações conjuntas para resolver problema. Encontro no bairro Coqueiral reuniu autoridades, agentes de segurança e comunidade local (Foto: João Caetano Vargas)

Por João Caetano Vargas
Pouco mais de quatro meses após o ataque ocorrido em duas escolas no município de Aracruz, autoridades, agentes de segurança pública e comunidade se reuniram, na noite de ontem 29, em uma audiência pública da Comissão de Proteção à Criança e ao Adolescente. O encontro proposto pelo presidente do Colegiado, deputado Alcântaro Filho, foi realizado no auditório da Oficina de Artes, no bairro Coqueiral, em Aracruz, localizada a poucos metros dos colégios onde ocorreram os crimes.

Não queremos que tudo isso que ocorreu aqui seja apagado de nossas memórias e principalmente da memória dos gestores. O poder público falhou, tanto a polícia quanto qualquer outro ente do governo do Estado ou do município não estava preparado para tudo aquilo que houve aqui no bairro Coqueiral. Mas cabe, a partir desse momento, fazermos essa reflexão e lutarmos até o fim de forma conjunta para que tenhamos medidas concretas”, afirmou o parlamentar.

Se estamos aqui é porque assumimos publicamente esse compromisso de que teremos resposta. Que a Flávia, a Cibele, a Penha, essas professoras, juntas da aluna Celena, que todas as vítimas que sobreviveram, graças a Deus, que toda a comunidade que sofreu o que sofreu, não passem por isso por acaso. Em memória a essas pessoas, em respeito a essas pessoas, vamos lutar até o final para que tenhamos escolas sem violência”, complementou o deputado.

O deputado também destacou sua visita ao município de Suzano (SP), onde no dia 13 de março de 2019 dois assassinos abriram fogo em uma escola, culminando com a morte de dez pessoas (incluindo os atiradores). Alcântaro explicou a importância de conhecer a realidade de outras cidades afetadas por tragédias dessa natureza para entender como elas reagiram.

Nos últimos 20 anos no Brasil, foram 16 atentados em escolas. Só no último ano tivemos sete ataques no Brasil, com três episódios, infelizmente, com vítimas fatais. (…) Eu fiz questão de ir ao local, primeiro para conhecer a realidade de uma cidade que vivenciou isso há um pouco mais de tempo que Aracruz. E segundo porque Suzano ganhou inclusive prêmios com o seu programa de prevenção à violência”, argumentou.

Ações do governo
O secretário de Estado de Segurança Pública, coronel Ramalho, destacou em sua fala as medidas adotadas pelo Executivo para prevenir esse tipo de ocorrência. O gestor falou sobre a criação de um Comitê Integrado de Gestão Escolar, de colaboração interdisciplinar, com o objetivo de preparar não só as forças de segurança estaduais e municipais para agirem em momentos de crise, mas também toda a comunidade escolar do Espírito Santo. “O que a segurança pública está fazendo é buscar esse conhecimento, é buscar cada vez mais estar próxima da sociedade”, explicou o secretário.

Temos que estudar juntos, aprender juntos, para que possamos fazer a devida prevenção nas escolas. Esse é um tema novo no Brasil. (…) Porque a primeira pergunta de um fato que leva à comoção social na segurança pública é: cadê a polícia? O que a polícia vai fazer? Então precisamos estar juntos para pensar o que a polícia irá fazer”, opinou.

Emoção
Em uma fala emocionada, Juliana Pessoti fez todo o auditório a aplaudir de pé por um longo período. A mãe da estudante Thaís Pessoti, que sobreviveu ao atentado e somente nesta semana voltou para casa, falou como foi e ainda está sendo difícil enfrentar essa nova realidade. A professora falou com orgulho de como a filha vem avançando no tratamento e enfrentando os desafios.

Foi um momento muito difícil e está sendo muito difícil. Voltar para casa é como se ainda estivéssemos vendo um filme. A Thaís tem consciência do que ocorreu com ela. Ela não fala porque a bala atingiu a parte do cérebro responsável pela compreensão e pela fala. Ela tem tido muita garra e muita força para superar todos esses obstáculos. A Thaís ainda tem muitas etapas para conquistar. Mas o meu coração de mãe diz que só não quer viver isso de novo. Como pai e mãe temos que olhar para os nossos filhos, conversar, falar sobre tudo e cumprir o nosso papel”, enfatizou.

Relembre o caso
Na manhã de 25 de novembro de 2022 um adolescente de 16 anos invadiu duas escolas, uma pública e uma particular, no município de Aracruz. O invasor estava armado e abriu fogo contra alunos e servidores das instituições. Quatro pessoas morreram, entre elas uma estudante de 12 anos e outras 12 pessoas ficaram feridas.

PUBLICIDADE